Mesmo sendo campeão do mundo com a Seleção Brasileira, a goleada sofrida de 7 a 1 da Alemanha na Copa do Mundo no Brasil é mais lembrada do que as vitórias de Felipe Scolari. O pior momento da carreira de treinador do Felipão foi acompanhado de muitas críticas sobre o seu trabalho.

Em entrevista ao No Ar com André Henning, do canal por assinatura Esporte Interativo, o treinador mostrou mágoa com uma das figuras mais importantes da Rede Globo.

Felipão diz que não fala mais com Galvão Bueno, acreditando que, após o confronto, ele o criticou de maneira injusta. Outro fato lembrado pelo treinador é a postura de Galvão, afirmando que o narrador se acha muito poderoso.

''Teve um colega teu, de TV, que passou 10 minutos após a partida apontando para mim. Hoje eu não falo com ele, no caso, é o Galvão Bueno. Enquanto ele continuar se achando que é o todo poderoso, um deus, e que tenha o direito de fazer aquilo que fez, me jogou contra os torcedores.

Fico aqui, cada um no seu lugar. Não devo nada a ninguém, cada um do seu lado fazendo o seu trabalho e vida que segue'', desabafou o multicampeão.

Em 2014, após o duelo contra os alemães, Galvão Bueno criticou a grande insistência de Felipão em dizer que o time jogou bem, afirmando que houve um apagão na partida. Por isso, o grande número de gols sofridos no Mineirão.

''O tal do apagão de seis minutos não é uma causa, mas, sim, uma consequência.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Flamengo

A seleção não teve essa campanha por conta de um apagão de seis minutos, o apagão de seis minutos ocorreu pela forma que o time estava jogando'', disse o narrador na época.

Hoje, Felipão é sondado por vários clubes, inclusive do Brasil. O Flamengo, que ainda conta com o técnico interino, seria um dos seus possíveis destinos, mas ele deve mesmo é treinar um clube de fora.

Após o 7 a 1, Felipão tentou retomar a carreira no Futebol brasileiro, mas acabou fazendo um trabalho ruim no comando do Grêmio.

Depois foi para a China, onde passou três temporadas comandando o Guangzhou Evergrande.

Lá, fez um dos melhores trabalhos da sua carreira, conquistando uma série de títulos, como o tricampeonato nacional e uma Liga dos Campeões asiática. No adeus, recebeu o apoio de centenas de torcedores no aeroporto, com faixas e gritos em sua direção, o chamando de General.

Nos últimos meses, um dos destinos cogitados foram clubes que disputam a Premier League, da Inglaterra, liga que o técnico adora.

O interesse é tamanho que Felipão aceitaria até treinar um clube da segunda divisão ou que esteja próximo de cair.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo