O Palmeiras perdeu para o Corinthians por 1 a 0 no último domingo (13). A derrota doeu um pouco mais do que o normal. A torcida já vinha chateada com a derrota em casa na decisão do Campeonato Paulista. Na ocasião, o Alvinegro abriu o placar no começo do jogo e carregou a decisão para os pênaltis. Dudu e Lucas Lima desperdiçaram suas cobranças e o título foi confirmado pelo rival.

As consequências dessa trágica derrota ainda repercutem internamente.

Revoltado com a atitude da arbitragem, o presidente Maurício Galiotte orientou seu departamento jurídico para ir 'até fim'. O juiz Marcelo Aparecido deu pênalti de Ralf em Dudu e voltou atrás. O Palmeiras tenta comprovar que ocorreu interferência externa e até contratou empresa de fora do país.

Avaliado pelo TJD-SP, o processo foi arquivado. O Palmeiras entende que o mérito nem foi julgado da forma como deveria.

Por isso o clube ingressou com mandado de garantia dentro do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, órgão da CBF. Por lá eles vão forçar o TJD a analisar novamente o caso.

A insistência palmeirense em querer comprovar o que aconteceu no clássico está causando sérios rachas dentro da Federação. A FPF tem problemas de relacionamento com a CBF, e as atitudes alviverdes tem acirrado ainda mais essas questões. A CBF pode obrigar a FPF a avaliar direito o caso, o que pode ser considerado como uma afronta.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Palmeiras

Maurício ganha 'presente'

Diante de toda turbulência, o presidente Maurício Galiotte foi punido pelo TJD-SP nesta terça. Após a decisão, o mandatário alviverde disse que o 'Paulistinha' estava manchado. A declaração foi analisada pelos membros do tribunal. Galiotte foi punido em 45 dias e o Palmeiras terá que pagar multa de R$ 10 mil reais.

Nas redes sociais a punição de Galiotte repercutiu de maneira negativa.

Palmeirenses questionam o rigor com que o presidente palmeirense foi punido e comparam com a falta de rigor com a análise da decisão do Estadual. Na prática, a decisão do TJD não impede muita coisa, já que o presidente não fica no banco de reservas e nem tem muito contato com os atletas antes da partida. Não é figura primordial dentro de um jogo.

O Departamento Jurídico do Palmeiras deve recorrer, mas a multa foi considerada leve.

O pagamento deve ser feito até a semana que vem e a pena revertida em alguma outra coisa, em algum outro momento.

Nesta quarta, o Palmeiras encerra sua participação na primeira fase da Libertadores ao receber o Barranquilla.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo