A imagem mais pitoresca da rodada deste final de semana do Campeonato Brasileiro e que rapidamente ganhou as redes sociais foi a do goleiro Santos, do Atlético Paranaense, mexendo em um parelho celular, já dentro de campo, momentos antes do inicio da partida diante do Atlético Mineiro, pela quinta rodada da competição. O foto rendeu memes, críticas e os mais diversos tipos de comentários, mas ninguém imaginava a razão da atitude do goleiro.

A explicação, no entanto, foi dada pelo próprio Atlético nesta segunda-feira (14), em entrevista coletiva. O ato feito pelo guarda-redes foi premeditado e fez parte de uma campanha do movimento “Maio Amarelo”, que trata da prevenção de acidente de trânsito.

A intenção dos criadores da campanha era que o goleiro fosse filmado e fotografado, o que de fato aconteceu, inclusive chamando a atenção da emissora que fazia a transmissão da partida. Um dos alertas feitos pela campanha é que o uso do celular ao volante mata tantas pessoas no trânsito quanto o consumo de álcool combinado com direção.

A ação foi criada pela agência Tech and Soul a pedido aplicativo de transportes Uber. Ela foi combinada previamente com o Atlético-PR. Porém, tanto a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) quanto o árbitro da partida não fora informados que a ação ocorreria.

Apesar do uso de aparelhos celulares ser proibido em campo, o árbitro Luiz Flavio de Oliveira não puniu o atleta e também não relatou o fato na súmula da partida. Protagonista da cena, o goleiro Santos participou da entrevista coletiva nesta segunda e disse que quer que as pessoas fiquem indignadas com quem usa celular dirigindo do mesmo jeito que ficaram ao vê-lo com o aparelho dentro de campo.

“Mais do que tomar um gol, você pode sofrer um acidente por causa de uma distração com o celular”, disse o jogador. Ele explicou o motivo de o aparelho estar com ele antes da bola começar a rolar.

Como a campanha só seria relevada nesta segunda-feira, o goleiro teve que seguir encenando nas entrevistas dadas após a partida. Para um programa de TV, Santos teve que dizer que não via problema algum em usar o telefone dentro de campo.

“Atlético é conhecido como o clube que quebra paradigmas. Então, foi escolhido para se engajar nessa campanha”, disse o vice-presidente do Furacão, Mário Lara. Ele também explicou que não comunicou o árbitro justamente para que a campanha tivesse resultado efeito;

De acordo com o dirigente, o time não temeu punição por conta do caráter social da campanha. Para ele, como isso foi feito antes do jogo começar, também não houve problema de nível esportivo.