O Santos entra em campo nesta quinta-feira (17), para encarar o Luverdense, [VIDEO]no estádio Passo das Emas, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. O placar de 5 a 1 construído no primeiro duelo, na Vila Belmiro, fez o técnico Jair Ventura pensar em poupar vários titulares, e pelo menos seis deles não viajaram para o Mato Grosso. Por outro lado, isso também abre oportunidade para jogadores que estão sendo poupo aproveitados, perderam espaço ou estão vindo de contusão.

Um desses jogadores a buscar voltar aos seus melhores dias é o volante Léo Cittadini, que após uma boa sequência no time, se contundiu e agora tenta recuperar seu espaço.

No entanto, o momento do jogador fora das quatro linhas também não é bom. Apesar de insistir em dizer que isso é problema com o qual seus representantes estão encarregados de resolver, o volante vive situação delicada no clube por conta da novela que está virando a renovação de seu contrato.

O atual vínculo termina no final do ano e a partir do mês que vem ele já está livre para poder assinar um pré-contrato com qualquer outro clube. O Santos já lhe enviou uma proposta, mas seus representantes consideraram baixo o que foi oferecido e ainda asseguraram que o jogador tem propostas de clubes de exterior. Desde então as conversas entre as partes seguem estagnadas.

Jogadores poupados

Podendo perder por até três gols de diferença – o gol marcado fora de casa foi abolido como critério de desempate na Copa do Brasil – o técnico Jair Ventura decidiu poupar metade do time, uma vez que no próximo domingo (20), já terá pela frente o clássico diante do São Paulo, no Morumbi.

Assim ficaram em Santos, os laterais Victor Ferraz e Dodô, o meia Alison, que chegou até mesmo ser dúvida no primeiro jogo por conta de desgaste físico, além dos atacantes Rodrygo e Gabriel. Outro atleta a não viajar foi o zagueiro David Braz, que segue entregue ao Departamento Médico.

Apenas após a realização de exames de sangue, que mediu o nível de desgaste físico dos atletas, é que o técnico Jair Ventura pode definir quem iria jogar e quem ganharia descanso. E esses jogadores que foram ao Mato Grosso, além do cansaço natural da partida, terão ainda que encarar horas de viagem. Somente entre Lucas do Rio Verde e Cuiabá, são 330 quilômetros que a delegação terá que percorrer de ônibus.

Entre ida e volta, os jogadores viajarão dez horas por terra. Da capital do Mato Grosso eles seguem de avião até São Paulo, onde se encontram com os demais jogadores para se concentrarem para o clássico contra o Tricolor.