Chegou a hora da verdade para a Argentina. Depois de duas partidas dramáticas [VIDEO], o time de Lionel Messi e cia encara a Nigéria nesta terça-feira, dia 26, em um jogo que pode marcar a despedida dos hermanos da Copa de 2018, ou garantir o “milagre” que pode selar a classificação da albiceleste para as oitavas de final do torneio. As equipes se enfrentam a partir das 15h do horário de Brasília no Estádio São Petersburgo.

Para se classificar para a fase de mata-mata do Mundial, a Argentina precisa obrigatoriamente vencer a equipe africana. Para facilitar o caminho, o time de Lionel Messi também tem que secar a Islândia, que encara a Croácia, também nesta terça-feira.

A outra partida do Grupo D da Copa de 2018 acontece também às 15h, na Arena Rostov.

Para passar de fase com mais tranquilidade, além de vencer, os argentinos precisam torcer para que a Islândia perca ou empate com a Croácia. Caso os islandeses vençam, a Argentina precisará ganhar por ao menos dois gols e marcando um a mais do que a Islândia. Se os argentinos vencerem por dois gols, mas a Islândia também vencer marcando a mesma quantidade de gols, mesmo que por um placar de apenas um gol (exemplo: Argentina 2 x 0 Nigéria, e Islândia 2 x 1 Crocácia), a classificação será definida pelo número de cartões de cada equipe até aqui, quesito em que, até o momento, a argentina leva desvantagem, com três amarelos sofridos, contra zero cartões da Islândia.

Tentando não repetir o insucesso da geração de 2002, que se despediu na Copa daquele ano na primeira fase, os atuais vice-campeões do torneio apostam em um novo titular no gol e na superação da equipe e de seu astro para mostrar um futebol superior às fracas atuações apresentadas na Copa da Rússia até aqui.

Depois da grosseira falha do goleiro Caballero, que garantiu o primeiro dos três gols da vitória da goleada da Croácia sobre a Argentina na semana passada, Franco Armani será o titular do gol albiceleste contra a Nigéria.

Cinco vezes vencedor da Bola de Ouro, Messi também não vem bem até aqui. Na primeira partida, contra a Islândia, o craque perdeu um pênalti que poderia ter dado a vitória em um amargo empate contra o time europeu. Já contra a Croácia, Messi novamente não conseguiu mostrar um bom futebol e viu jogadores como Modric e Rakitic comandarem o baile de 3 a 0 contra os hermanos.

Para chegar à última rodada com chances de classificação, os argentinos torceram contra a Nigéria, que na segunda rodada bateu a Islândia por 2 a 0. Uma vitória dos islandeses teria tornado o sonho de classificação argentina praticamente impossível de ser alcançado. Agora, os comandados de Jorge Sampaoli aguardam outra “ajuda” do destino para alcançarem uma sofrida classificação. Mas, antes de aguardar o que acontecerá em Rostov, o time de Messi precisa fazer o que não fez até aqui: conseguir uma vitória.

De preferência, com uma boa margem de gols.

“Resgate de uma geração”: jornais argentinos destacam decisão desta terça

Enquanto a Argentina se prepara para entrar em campo em poucas horas contra a Nigéria, os jornais do país dão grande destaque para a partida desta terça-feira. Isso porque, em caso de insucesso, o jogo pode marcar a despedida do Lionel Messi em Copas do Mundo. Principal craque surgido no país nas últimas décadas, o astro disputou as Copas de 2006, 2010 e 2014. Em 2018, no Qatar, Messi terá 38 anos, e dificilmente deve ir à Copa. Especula-se, inclusive, que o craque pode se aposentar da seleção albiceleste ao final da participação argentina no torneio, independente do resultado de hoje.

Uma das principais publicações do país, o jornal Clarín destacou que o jogo pode marcar “o resgate da equipe e de uma geração”. Em seu site, o jornal diz que o país espera que Messi “se rebele” e “não se entregue ao pênalti perdido contra a Islândia”. Para o jornal, o craque precisa despertar e dizer: “Aqui estou eu. Sim, sou o melhor do mundo”.

Já o Olé, mais conhecido jornal esportivo do país, destaca que os argentinos estarão torcendo “de Ushuaia até São Petersburgo”. Para a publicação, o jogo desta terça representa “a continuidade do sonho de milhares de fanáticos”, destacando que “é hora de ganhar”.

Muito criticado nos últimos dias, o técnico da Argentina destacou o clima de superação que tomou conta de seus selecionados. “Temos que fazer uma partida de muito coração, de muita cabeça”, disse o treinador da albiceleste. “Precisamos ganhar cinco partidas para chegar até a final. Amanhã [terça-feira] será a primeira”, concluiu.

Ganhe ou perca, o certo é que a partida contra a Nigéria tem tudo para entrar para a história do futebol argentino. Se será uma memória boa ou ruim, só saberemos após o apito final.