Em meio à tanta repulsa por parte do torcedor brasileiro com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), tamanho são os escândalos de corrupção, desmando, e ainda o onipresente 7 a 1 sofrido para Alemanha na copa passada, um personagem criado pela entidade surpreendentemente caiu no gosto popular: o Canarinho, que por conta da sua cara invocada teve o termo “pistola” incorporado a seu nome. No entanto, esse termo que deram ao mascote não será usado pelos repórteres, narradores e comentaristas [VIDEO] da Rede Globo durante o mundial da Rússia.

A determinação de abolir o apelido feita pela direção da emissora visa atender a um pedido feito pela própria CBF, que quer que seu mascote seja chamado apenas pelo primeiro nome, pontuando seu jeito encrenqueiro e mal humorado, mas nunca “pistola”.

Para a entidade que comanda o futebol brasileiro, o termo “pistola” viralizou nas redes sociais de uma maneira fora do tom, associada à arma de fogo, no caso uma pistola, e politicamente incorreta.

Alguns profissionais da emissora, como os repórteres que trabalharam no amistoso da Seleção Brasileira, [VIDEO]da semana passada, em Viena, contra a Áustria, bem como a apresentadora Ana Maria Braga, nesta semana em seu programa, usaram o apelido do mascote e pouco depois receberam orientações para que isso não voltasse a ocorrer. O curioso é que em algumas reportagens que ainda se encontram no portal Globo Esporte, o termo popular do qual o mascote é chamado segue sendo citado, inclusive nas manchetes.

Sucesso nas ruas e na internet

Por determinação da FIFA, que quer apenas que o mascote oficial da Copa apareça, o Canarinho Pistola foi barrado dentro dos estádios nos jogos da Seleção Brasileira no mundial da Rússia, mas isso não o impede de fazer sucesso por onde passa nas ruas.

Além do jeitão invocado, o fato de ser bom de bola (aparece sempre fazendo embaixadas) chama a atenção das pessoas, sejam brasileiros ou estrangeiros.

Canarinho 'bonzinho' foi reprovado

Entendendo que a versão invocada poderia assustar as crianças, a CBF ainda decidiu criar uma versão do mascote com um semblante um pouco mais amistoso. O resultado disso foi uma enxurrada de críticas nas redes sociais e a versão do canarinho “bonzinho”, encalhado nas lojas, o que fez a entidade voltar atrás na decisão e seguir com o mascote com cara de mau, que constantemente rende memes e piadas. De carona no sucesso e em plena época de Copa, essa versão do mascote em pelúcia já foi colocada à venda ao preço de 99 reais.