Alguns meses atrás o presidente do Santos José Carlos Peres havia prometido dois ou três reforços para o período de Copa do Mundo [VIDEO], que já está em sua metade. Os jogos do mundial estão passando, algumas seleções já até tomaram o caminho de volta para casa, e até agora nenhum nome foi apresentado. No entanto, mandatário alvinegro se mantém otimista com relação à chegada de nomes vindos do exterior. Dois desses jogadores estão na Rússia defendendo suas seleções na Copa do Mundo.

Um deles é o uruguaio Carlos Sánchez, [VIDEO] que atualmente joga no Monterrey, do México. Entre os clubes está tudo praticamente acertando, com o time mexicano aceitando liberá-lo mediante a uma compensação financeira.

Agora resta o acerto de salários com o jogador, o que ocorrerá apenas quando terminar a participação do Uruguai na Copa.

Outro jogador no radar santista é Bryan Ruiz, que defende a seleção da Costa Rica, porém, a vinda deste atleta para a Vila Belmiro está mais distante, uma vez que o jogador já declarou que prefere atuar na Europa.

Uma das exigências de Peres é que o jogador que chegue esteja apto a disputar as três competições que o Santos ainda briga pelo título na temporada. Isso fez com que as conversas com o volante Jaílson, cuja contratação já estava mais do que certa, fossem estagnadas. O jogador está no Grêmio, e, caso seja contratado, só poderá vestir a camisa do Peixe no Campeonato Brasileiro, uma vez que já defendeu a equipe gaúcha tanto na Copa Libertadores da América quanto na Copa do Brasil.

Mesmo assim, os empresários do volante acreditam que um acerto deve ser feito até o final desta semana.

O fato de já ter disputado a competição por outro clube também afastou um pouco o atacante equatoriano Jonathan Alves, que estava no Barcelona do Equador.

Apresentado na semana passada como novo executivo de futebol do clube, Ricardo Gomes chegam com a missão de ajudar o presidente Peres na contração de novos jogadores. “(O clube) Vai ser agressivo, mas vocês conhecem o mercado. Não é um mercado fácil”, disse o dirigente. Segundo ele, mesmo com os recursos oriundos da venda de Rodrygo para o Real Madrid, a diretoria precisará trabalhar muito para trazer jogadores. “Não é só ter grana, não é bem assim. Tem que trabalhar muito. Apesar da condição financeira equilibrada”, disse.

Com 11 pontos em 13 jogos, o Santos ocupa a 15ª posição no Campeonato Brasileiro. Logo quando voltar da parada para a Copa do Mundo, o alvinegro já encara o Palmeiras, dia 19 de julho, no estádio do Pacaembu, em São Paulo.