Dos três reforços prometidos pelo presidente José Carlos Peres para o período de Copa do Mundo, o Santos por enquanto só conseguiu o acerto com o costa-riquenho Bryan Ruiz. No entanto, a diretoria ainda segue no mercado de olho em mais dois reforços que também atuam no exterior. [VIDEO]

Um dos jogadores que tem sido monitorado pela cúpula santista é outro costa-riquenho. Trata-se do atacante Christian Bolaños, de 34 anos, que é companheiro de Bryan Ruiz na seleção da Costa Rica e que atualmente joga no Deportivo Saprissa. O jogador vem de uma temporada não muito boa em função de ter sofrido uma fratura no tornozelo em março, o que lhe fez perder todo o restante da temporada, a qual ele fez 12 jogos e não marco gol.

Depois do acerto com Ruiz, o ataque passou a ser visto como prioridade para novas contratações do Santos. Apesar de ter conseguido trazer Gabriel, por empréstimo até o final do ano, o time tem falhado desde o começo do ano na missão de trazer outras peças para o setor. Nomes como o de Robinho, Hernan Barcos – que nesta semana acertou com o Cruzeiro -, Ramón Ábila e Rafael Marques, dentre outros, já passaram foram cogitados no clube, mas nenhum deles foi contratado.

Outro jogador no radar da diretoria alvinegra é o peruano Wilder Cartagena. O jogador de 24 anos atualmente defende a equipe mexicana do Veracruz.

Cittadini perto de sair

Depois de meses de tentativa de negociação, ao que tudo indica, o volante Léo Cittadini deixará mesmo o Santos. O jogador não entrou em um acordo com o clube com relação à renovação de seu contrato, que vence no final do ano e, de acordo com informação publicada pelo portal Globo Esporte, o destino do atleta deve ser o Benfica.

Seus representantes, inclusive, já Portugal teriam viajado para Portugal para acertar os últimos detalhes do pré-contrato que ele poderá assinar em breve. Com isso, ele deixará a Vila Belmiro de graça.

A direção santista garantiu que ofereceu o que estava dentro dos limites estabelecidos pelo clube e ameaça rebaixá-lo ao time B, caso não haja uma renovação de contrato. Foi oferecido ao jogador um salário [VIDEO] de 150 mil reais mensais por quatro temporadas de contrato e ainda desejava que a multa rescisória fosse estipulada em 50 milhões de euros, algo em torno de 225 milhões de reais, valor que desagradou o estafe do volante.

Promovido ao time profissional em 2013, o jogador ganhou sequência no time titular apenas nessa temporada, quando a equipe passou a ser dirigida pelo técnico Jair Ventura. Questionado sobre sua situação contatual, Léo respondeu que deixa essas questões com seus representantes e que prefere focar apenas no Santos.