Nem todo mundo na Itália ficou contente com a contratação de Cristiano Ronaldo pela Juventus [VIDEO]. O time de Turim desembolsou 105 milhões de euros (algo em torno de 471 milhões de reais) para tirá-lo do Real Madrid. Irritados com as grandes cifras pagas pelo time italiano, os funcionários da montadora Fiat cogitam entrar em greve, pretendendo parar suas atividades das 22 horas do próximo domingo (15) até às 18 horas de terça-feira (17).

A montadora de automóveis faz parte do grupo que é sócio majoritário da Juventus e seus operários acharam um grande absurdo o valor pago a um futebolista. O sindicato que representa os funcionários da fábrica disse que é inaceitável que os trabalhadores continuem a fazer sacrifícios econômicos enquanto que a empresa investe milhões em um jogador de futebol.

A nota, emitida pelo sindicato, diz ainda que a companhia deveria colocar o interesse de seus empregados em primeiro lugar. Nesta quarta-feira (11), membros do sindicato já haviam feito um protesto em frente à montadora. Junto aos manifestantes estavam cinco operários que haviam sido mandados embora recentemente há pouco tempo. O movimento não chega a ser surpresa, uma vez que os operários já haviam mostrado descontentamento tão logo surgiram os primeiros boatos que o português poderia se transferir para o time de Milão, que depois de ter consolidada sua posição na interna, agora busca recuperar seu espaço no continente.

A Juventus esteve em duas das últimas quatro finais de Liga dos Campeões e neste ano está mais uma vez na disputa, agora contando com um jogador que já levantou a "orelhuda" por cinco vezes na carreira, sendo as três últimas edições.

Apesar dos valores astronômicos [VIDEO], a transferência de Cristiano Ronaldo para a equipe da Itália ocupa a quinta posição dentre as mais caras do futebol mundial. Além dela, apenas outras seis romperam a casa dos 100 milhões de euros. O português de 33 anos assinou contrato por quatro temporadas e vai receber o vai receber 30 milhões de euros por ano, algo em torno de 136 milhões de reais anuais. Antes de CR7, a Juve já havia pagado 90 milhões de euros para tirar Gonzalo Higuaín do Napole, no que foi a transação mais cara do futebol italiano.

Cristiano Ronaldo na Mooca

Time homônimo ao italiano e criando por imigrantes daquele país, o tradicional Juventus do bairro da Mooca, time que atualmente joga a Série A2 do Campeonato Paulista, foi parar nos trending topics twitter. O motivo foi uma série de montagens propagada na rede social com Cristiano Ronaldo vestindo a camisa do Moleque Travesso e outras referencias ligando o jogador ao bairro.