Antes mesmo da competição mais importante do futebol mundial começar, os especialistas esportivos e a mídia já colocavam em suas apostas os principais nomes para conquistar a Copa da Rússia 2018. Entre os favoritos, a Alemanha, atual campeã, autora do massacre em cima da Seleção Brasileira em 2014 no Mineirão. A equipe de Joachim Löw chegava favorita não só por ser a atual campeã, mas por preservar quase o mesmo time que venceu o Mundial no Brasil em 2014. Caso pintasse o título na Rússia, os alemães chegariam à quinta conquista, se igualando ao Brasil. Contudo, a Alemanha sequer conseguiu passar para a segunda fase, caindo na primeira e fazendo jus à "maldição dos campeões", onde nas últimas três edições os atuais vencedores caíram na primeira fase.

Outra grande favorita apontada era a Espanha, cujo o estilo de jogo envolvente comandado por Julen Lopetegui poderia levar a Fúria ao segundo título mundial. No entanto, algumas reviravoltas acabaram acontecendo. Um anúncio imprevisível partindo do Real Madrid abalou as estruturas espanholas. Através da pagina oficial do clube no Twitter, Julen Lopetegui é anunciado como novo técnico dos merengues. Mesmo o anúncio informando que Lopetegui só assumiria depois da Copa da Rússia, isso não impediu que a Federação Espanhola tomasse a atitude drástica de demitir Lopetegui pouco antes da estreia da seleção espanhola na Copa.

Com isso, Fernando Ruiz Hierro assumiu o comando da seleção, estreando com empate contra Portugal. Mesmo com um elenco forte, com Iniesta, Diego Costa, Sergio Ramos, Isco e companhia, Fernando Hierro não conseguiu levar a Espanha muito longe na competição e acabou caindo nas oitavas para a anfitriã Rússia.

Apesar de não ser apontada como "grande favorita", a Argentina, de Lionel Messi, também aparecia em algumas apostas. Os "hermanos" são os atuais vice-campeões e, mesmo não tendo feitos grandes partidas nas Eliminatórias, a equipe liderada por Messi contava com um elenco forte suficiente para brigar pelo título. No entanto, os argentinos encontraram uma França bem preparada e com um Mbappé para lá de inspirado e acabaram sendo derrotados por 4 a 3 em jogo de duas viradas.

Apesar de possuírem elencos fortíssimos, Bélgica e França são duas seleções liderada por jovens. A França, campeã do mundo, conta com o futebol de seus jovens talentos para conquistar o título. Já a Bélgica, apesar de nunca ter conquistado um mundial, vem com um elenco recheado de craques que podem fazer a diferença. Talvez o ponto fraco das duas seleções seja a pouca experiência, o que pode ser um diferencial ao enfrentar grandes seleções na competição. No entanto, os franceses demonstraram muita atitude no jogo contra a Argentina, o que pode nos fazer ficar de olho nessa equipe.

Com a queda dos gigantes, o peso do favoritismo voltou para as costas do Brasil. Única seleção pentacampeã do mundo, o Brasil vem motivado pela ótima campanha realizada nas eliminatórias. Classificada de maneira incontestável, a equipe liderada por Tite se classificou antecipadamente e eliminou o Chile na última rodada. Na primeira fase, liderou o grupo com duas vitórias e um empate e agora enfrenta os mexicanos nas oitavas.

Para o confronto, a seleção canarinho conta com grandes nomes como Neymar, Coutinho, Gabriel Jesus e uma ótima defesa, com apenas um gol sofrido no Mundial. Apesar de não ter demonstrado todo o futebol apresentado nas eliminatórias, o peso da camisa amarela ainda impõe respeito aos adversários. Por outro lado, os mexicanos tentam fugir do fantasma de sempre cair nas oitavas, situação que se repetiu nas últimas seis edições.

Diante disso, a seleção brasileira chega em mais uma edição da Copa do Mundo como favorita, em busca do sonho do Hexa.

Veja também:

Copa do Mundo 2018: Brasil, Alemanha, Espanha e França entre as favoritas [VIDEO]

Rússia vence o Egito por 3 a 1: Gols e resumo do jogo [VIDEO]