Fato raro de acontecer na Seleção Brasileira de Futebol, um técnico que não levou o Brasil a ser campeão, conseguiu manter seu posto por mais quatro anos. O treinador Tite pode ser considerado uma exceção à regra ao ter seu contrato renovado pela CBF em acordo formalizado nesta quarta-feira (25). No acordo anterior, ele recebia R$ 600 mil por mês, valor que talvez não seja reajustado nesta nova fase.

Contratado desde 2016, o treinador do Brasil na Copa da Rússia já havia recebido o convite da CBF para renovar seu contrato mesmo antes do fim da competição e agora resolveu aceitar a proposta.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Futebol

Tite foi convidado a permanecer no comando da seleção [VIDEO] justamente após a derrota para a Bélgica que venceu por 2 x 1 e eliminou o Brasil da Copa da Rússia.

O desafio de Tite na nova fase da Seleção Brasileira

Segundo reportagem do jornal “Folha de São Paulo”, Tite conseguiu fazer uma campanha considerada excelente na preparação para a copa, mas a equipe não agradou durante a competição e sua postura ao comandar Neymar também teria sido decepcionante, segundo a reportagem da Folha.

O treinador da Seleção Brasileira já atua após a renovação do seu contrato com a CBF. Tite terá como um dos primeiros compromissos o amistoso contra a Seleção dos Estados Unidos no dia 7 de setembro. Em agosto ele convocará os jogadores que participarão do jogo. No dia 11 de setembro a seleção enfrenta a equipe de El Salvador em Washington, nos Estados Unidos.

O histórico de Tite no comando do futebol brasileiro registrou quatro empates, 20 vitórias e duas derrotas em dois anos de atuação. Em 2022, ele estará comandando a seleção na Copa do Qatar, mas antes enfrentará outro grande desafio: a Copa América que será realizada no Brasil gerando uma grande pressão sobre o técnico, caso fracasse.

A Copa [VIDEO] América é realizada em cinco cidades brasileiras: Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Belo Horizonte.

Antes do evento a seleção participará de oito jogos e em 2019 começa a se preparar para a Copa do Qatar disputando as eliminatórias.

O único treinador que conseguiu ficar no cargo após uma derrota em mundiais foi Cláudio Coutinho, em 1978. Após a copa desse ano, ele aceitou ficar para comandar o Brasil em 1982, mas acabou caindo antes, em 1979. Sua última partida como técnico da seleção foi na semifinal da Copa América quando o Brasil empatou em 2 x 2 com o Paraguai. Depois da derrota, Cláudio Coutinho foi substituído por Telê Santana.