Os quase 23 mil torcedores do Fluminense presentes ao Maracanã viveram uma noite de quarta recheada de emoções. Mesmo após a importante vitória de 1 a 0 sobre o Palmeiras [VIDEO], resultado que fez a equipe das Laranjeiras subir para o nono lugar no Campeonato Brasileiro, chegando aos 21 pontos, dois a menos ao próprio Alviverde Paulista, última agremiação dos quais estariam na próxima Taça Libertadores da América, os tricolores aproveitaram para extravasar algumas mágoas contra alguns personagens do mundo esportivo.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal PaixãoPorFutebol

O principal alvo da ira dos torcedores, como era aguardado, foi Gustavo Scarpa. Além das vaias durante toda a vez que o meia tocava na bola, ao final da partida, nas redes sociais, diversas montagens representavam que a conturbada saída do apoiador do Fluminense para o Palmeiras, através de uma liminar judicial, não foi totalmente digerida pelos tricolores.

Em entrevista após o revés no Maracanã, Scarpa disse que não se abalou com as vaias e aproveitou para dar uma leve provocada.

"Senti-me privilegiado em ouvir as vaias e os gritos deles. Sinal que eu tive uma certa importância, mas vida que segue", declarou o atleta no túnel que leva dá acesso aos vestiários do Maracanã.

No início de 2018, Gustavo Scarpa, alegando três meses de salários atrasados e outras pendências, conseguiu uma liminar para romper o seu contrato com o Fluminense e firmar um vínculo com o Palmeiras. Algum tempo depois, o Tricolor cassou a medida judicial e reativou o compromisso anterior do meia. Pouco tempo depois, houve uma audiência na qual foi dada, em primeira instância, razão ao clube carioca. Os empresários do atleta recorreram e, enquanto não é marcado um novo julgamento, obtiveram um habeas-corpus que permitiu o retorno do apoiador ao time paulista.

Outro alvo da torcida do Fluminense foi o jornalista conhecido como Cartolouco, que, após ser reconhecido, teve de ser obrigado a deixar as arquibancadas do Maracanã, debaixo de gritos dos tricolores que exigiam respeito ao clube das Laranjeiras.

Em abril, durante o “É Gol”, do SporTV, o Cartolouco, um dos apresentadores do programa do canal fechado da Globosat, virou o escudo do Fluminense, que, no domingo anterior, havia derrotado o Cruzeiro, no Maracanã, por 1 a 0, numa alusão a um eventual anti-jogo e falou em pagar a “Série C”. Essa atitude, na ocasião, foi duramente repreendida pela sua colega Domitila Becker, que endireitou o escudo.

O reencontro do Fluminense [VIDEO] com a sua torcida será na quinta-feira que vem, às 21h45 (de Brasília), diante do Defensor, do Uruguai, no jogo de ida da segunda fase da Copa Sul-Americana. Antes, no sábado, o Tricolor, a partir das 16h (de Brasília), irá ao Presidente Vargas, em Fortaleza, para encarar o Ceará pelo Brasileirão.