No último domingo (29), o camisa 10 da Seleção Brasileira, Neymar, decidiu finalmente se pronunciar sobre seu desempenho na última Copa do Mundo, na Rússia. No entanto, a maneira com a qual fez isso, através de uma propaganda [VIDEO] – ou seja, patrocinada – veiculada em um dos programas de maior audiência da TV, fez apenas engrossar ainda mais a lista de críticos ao jogador, que chegaram a acusa-lo, de buscar arrecadar dinheiro de todas as formas; Um jornal alemão foi ainda mais longe e classificou o comercial, da marca de lâminas de barbear Gillette, como patético.

Nesta quinta-feira (2), o portal UOL revelou antes de fechar a propaganda com a P&G, empresa detentora da marca Gillette, Neymar havia negociado uma entrevista com a Rede Globo [VIDEO], em moldes semelhantes a concedida em 2014, logo após a queda do Brasil na Copa.

No entanto, a emissora, para não auxiliar na criação de um cenário de vitimismo e desculpas, decidiu por não repetir a estratégia. Já fato de não ter mais contrato de parceria com a TV também fez o estafe do jogador recuar.

Segundo o UOL, se antes, por força de contrato, a assessoria de Neymar tinha o direito de até mesmo pedir a edição de uma entrevista ou palpitar no tipo de questionamento que lhe seria feito, desta vez eles não poderiam ter qualquer influencia sobre o material que seria levado ao ar e temas espinhosos poderiam ser abordado, como a fama de “cai-cai” que perseguiu o jogador durante o mundial e fez virar meme de redes sociais. [VIDEO] Essa foi a principal razão para o entrave das conversas e seu consequente encerramento.

Um fato que chamou atenção e que comprovou que de fato a emissora não comprou a ideia de ser usada como vitrine para a tentativa de melhoria da imagem do jogador foi que o comercial foi ar durante a noite, no intervalo do “Fantástico”, porém, horas antes, pela manhã, o “Esporte Espetacular” fez uma longa reportagem onde não poupou críticas ao jogador, citou sua imagem arranhada e os desafios que o jogador do Paris Saint-Germain terá daqui para frente.

Estafe de Neymar dividido

A estratégia adotada por Neymar para tentar melhorar sua imagem após a Copa dividiu até mesmo as pessoas que gerenciam sua carreira. Parte de seu estafe acreditava que era preciso uma mudança de abordagem, o que significaria uma mudança de postura em relação à mídia tradicional, além de tentar mostrar um lado mais humano do jogador, bem diferente do que vem sendo feito, como, por exemplo, portas fechadas para a imprensa e constante exposição publicitária.