Anúncio
Anúncio

O São Paulo foi eliminado através dos pênaltis, na segunda fase da Copa Sul-Americana, pelo Club Atlético Colón, no Estádio Brigadier General Estanislao López, nesta quinta-feira (16), em confronto iniciado às 21h45 (Brasília). Mesmo tendo vencido a disputa por 1 a 0 no tempo normal, o tricolor não obteve a diferença necessária para seguir na competição continental.

Precisando de mais um gol para obter o acesso à próxima fase do torneio, os brasileiros não balançaram as redes em uma segunda oportunidade, isto manteve a igualdade na disputa, pois o jogo realizado no Morumbi, dia 2 de agosto, acabou com um revés, por 1 a 0, Fritzler foi o responsável por fazer a alegria dos visitantes na ocasião, ao acertar um chute de longa distância durante a etapa final.

Anúncio

Além da surpresa no resultado, o espetáculo contou também com cenas tristes, envolvendo agressões de jogadores das duas agremiações. Diego Souza e Ortiz se desentenderam, porém não foram suspensos pelas ações violentas para este encontro ocorrido em Santa Fé, a Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL) não interferiu.

A ausência do centroavante para os paulistas, teve haver com a preservação do estado físico do atleta, pensando na sequência do Campeonato Brasileiro e também para evitar desdobramentos do entrevero envolvendo o camisa nove e o zagueiro.

Não foram as únicas mudanças promovidas pelo Técnico uruguaio Diego Aguirre, ele também entrou com Jean no lugar de Sidão, Liziero exerceu a função de volante no lugar em que normalmente é de Jucilei, Araruna foi lateral-direito ao invés de Bruno Peres, Lucas Fernandes fez a função do Everton e Gonzalo Carneiro (Titular pela primeira vez) a de Diego Souza, contrariando a expectativa da imprensa esportiva em relação à presença de Santiago Tréllez.

Anúncio

Com as alterações o time permaneceu no esquema 4-2-3-1, foram escalados: Jean, Araruna, Bruno Alves, Anderson Martins, Reinaldo, Hudson, Liziero, Nenê, Joao Rojas, Lucas Fernandes e Gonzalo Carneiro.

Do outro lado, tentando aumentar a fama do seu estádio, conhecido pelos torcedores como “cemitério dos elefantes”, por já haver ganhado do Santos de Pelé, em 1964, o Colón dirigido por Eduardo Domínguez, veio no 3-4-3, com Burián, Toledo, Godoy, Olivera, Ortiz, Fritzler, Escobar, Estigarribia, Heredia, Ruiz e Correa.

Jogo

Os são-paulinos ameaçaram o gol de Burián em duas cobranças de falta, uma com Lucas Fernandes, aos 12 minutos, a bola subiu demais. Depois Nenê teve a chance, mas carimbou o travessão, aos 19’, a famosa “chapada do nena” quase funcionou.

Anúncio

Buscando criar perigo para os visitantes, Heredia quase fez aos 21’, ele dominou um passe no peito e disparou o arremate com o pé esquerdo... passou perto.

Na etapa seguinte, aos 7’, Heredia fez bom lance individual, driblou Bruno Alves e chutou... Jean defendeu, na sobra o zagueiro afastou da área. Pouco tempo depois, aos 14’, Escobar fez o arqueiro tricolor trabalhar, Heredia encontrou o companheiro bem posicionado, ele bateu cruzado no canto direito, porém Jean se esticou bastante e colocou para escanteio.

Tendo um adversário mais presente no campo de ataque, o time do Morumbi só voltou a ameaçar o rival, aos 22’, Everton que havia substituído Lucas Fernandes, tentou uma puxeta para abrir o marcador, quando a redonda estava quase passando a linha do gol, Godoy salvou o Colón, mandando-a para lateral.

Em um escanteio batido por Nenê, a defesa fez o corte parcial, o rebote sobrou limpo para Liziero encher o pé e fazer um golaço, aos 26’, seu primeiro como profissional. Ele pegou de três dedos, ela fez curva saindo do goleiro, parando no fundo das redes. O árbitro paraguaio, Mario Díaz de Vivar, encerrou o segundo tempo aos 48’. Com a vitória por 1 a 0, o duelo se dirigiu para as penalidades.

Nas cobranças Alan Ruiz, Estigarribia, Javier Correa, Fritzler e Ortiz (último a bater) converteram para o Colón. Nenê, Reinaldo e Hudson acertaram seus chutes, entretanto Bruno Alves desperdiçou o dele: o zagueiro escolheu o meio, colocou força, mas Burián evitou que ela passasse com o pé direito, 5 a 3, e classificação assegurada.

Os argentinos agora estão nas oitavas de final, terão pela frente os colombianos do Junior Barranquilla, as datas dos confrontos ainda serão escolhidas. Pelo Tricolor fica a luta desempenhada durante o tempo em que esteve vivo na competição, não se entregou até o minuto final e foi buscar um resultado adverso fora de casa, porém insuficiente para que seguisse em busca do segundo troféu.

Em 31 jogos o Time da Fé venceu três vezes os argentinos em seu país: uma contra o Boca Juniors, no dia 10 de janeiro de 1995, pela Supercopa Libertadores, outra enfrentando o River Plate, no Monumental de Núnez, em 2005, pela Libertadores da América, e agora opondo-se ao Colón.

O líder do Brasileirão com 38 pontos e 70,4% de aproveitamento, volta a campo pela 19ª rodada, domingo (19), às 19 horas, no Morumbi, pelo nacional. No dia 15, quarta-feira, a primeira parcial da venda de ingressos foi divulgada, até então 17 mil entradas haviam sido comercializadas, a expectativa é que a casa são-paulina esteja cheia novamente: foram 53.437 pessoas, no clássico com o Vasco, e 58.624, no Majestoso com o Corinthians.

Substituições

  • São Paulo- Araruna por Bruno Peres, Lucas Fernandes por Everton e Carneiro por Tréllez.
  • Colón- Heredia por Bastía.

Cartões amarelos

  • São Paulo- Araruna e Anderson Martins.
  • Colón- Javier Correa, Emanuel Olivera, Ortiz e Clemente Rodríguez.