Chegou ao fim nesta quarta-feira (1º), a carreira dentro dos gramados de um dos mais carismáticos jogadores do Futebol brasileiro em atividade. Aos 35 anos de idade, o atacante Obina anunciou que está se aposentando após 16 anos no futebol profissional por conta das dores que vem sentindo. O atleta defendeu grandes clubes na carreira como Palmeiras, Atlético Mineiro [VIDEO], Bahia e Vitória e chegou até, em tom de brincadeira dos torcedores, ser considerado “melhor” que o camaronês Samuel Eto'o.

O último clube do jogador foi o Yamaga, do Japão, pelo qual jogou sua última partida oficial ainda no ano passado, antes de sofrer uma lesão no tendão de Aquiles.

Com isso, ele precisou retornar ao Brasil para se submeter a uma cirurgia, porém ele passou a conviver com muitas dores, o que lhe fez decidir colocar um ponto final em sua carreira.

“Jogar, treinar e depois sentir dor, acho que não valia a pena”, disse o jogador em entrevista concedida ao UOL Esporte. Ele também revelou que sofreu alguns contratempos em sua cirurgia, o que tornou a recuperação mais lenta. Então ele avaliou que não valeria a pena o ciclo “jogar, treinar e sentir dor” e por isso achou melhor se retirar dos gramados.

A carreira

Manuel de Brito Filho, ou simplesmente Obina, foi revelado nas categorias de base do Vitória após ser levado para o clube por um olheiro que o viu jogar nos campos da cidade de Vera Cruz, onde nasceu. No Rubro-Negro fez seu primeiro jogo profissional e 2002 e depois de ser emprestado no ano seguinte para o CRB de Alagoas e para o Fluminense de Feira de Santana, foi negociado em 2004 com o Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Voltou ao Brasil em 2005 para defender o Flamengo, clube no qual acabou caindo nas graças da torcida, que até fizeram uma música em sua homenagem. “Obina é melhor que Eto'o", era o canto que vinha das arquibancadas.

Ele ficou até 2010 no Flamengo, tendo saindo por empréstimo no ano anterior para jogar no Palmeiras [VIDEO]. No Verdão teve um ótimo início de passagem, com direito a três gols em um jogo contra o Corinthians, porém sua passagem no clube foi abreviada após ele se envolver em uma briga com o companheiro Mauricio na saída para o intervalo de um jogo contra o Grêmio, o que acabou provocando a expulsão de ambos, fato que culminou em sua dispensa do clube.

Em 2012, ele chegou a ter uma segunda passagem pelo Palmeiras, mas sem o mesmo brilho. Antes, havia jogando no Atlético Mineiro, em 2010, onde fez 27 gols em 39 jogos. Também atuou pelo Shandong Luneng, da China, Bahia e América Mineiro. Desde 2015 estava defendendo o Matsumoto Yamaga, do Japão, clube pelo qual fez oito gols em 40 jogos.