O Botafogo foi o dono da posse de bola, mas se mostrou incompetente para estufar as redes, desperdiçando, inclusive, uma penalidade máxima. Sorte do Fluminense que, na base do contra-ataque e aproveitando uma jogada de bola parada, venceu o clássico carioca da 24ª rodada do Campeonato Brasileiro, realizado na tarde deste domingo, no Maracanã, por 1 a 0.

Com esse resultado, o Tricolor das Laranjeiras, também beneficiado pela derrota do Corinthians para o Palmeiras (1 a 0, no Allianz Parque), assumiu o oitavo lugar da Série A, somando, agora, 31 pontos.

Publicidade
Publicidade

Em contrapartida, o Alvinegro de General Severiano se manteve nos 26 pontos e na 15ª posição, muito próxima da zona de rebaixamento para a Série B.

No próximo domingo, o Botafogo, às 11h (de Brasília), recebe, no Nilton Santos, o América-MG. No mesmo dia, a partir das 16h (de Brasília), o Fluminense, sem Ayrton Lucas, punido pelo terceiro cartão amarelo, terá a difícil missão de, na Arena da Baixada, encarar o Atlético-PR.

Gol marcado logo aos 11 minutos define o clássico

A tônica do clássico já foi demonstrada logo no início: pouca técnica e qualidade, mas muita disposição de ambos os lados.

Com as mãos erguidas, Digão comemora gol da vitória sobre o Botafogo. (Foto: Magalhaes Jr/Photopress)
Com as mãos erguidas, Digão comemora gol da vitória sobre o Botafogo. (Foto: Magalhaes Jr/Photopress)

Sofrendo com desfalques importantes, os rivais sabiam da importância do resultado positivo. Por conta disso, não tiravam o pé de nenhuma dividida e tentavam ser o mais vertical possível. Com a bola nos seus domínios, porém, pecavam no trato.

Mesmo debaixo de tanta carência, o primeiro gol do jogo não demorou a sair. Aos 11 minutos, em cobrança de escanteio de Luciano, a zaga alvinegra cortou mal, Everaldo tentou uma bicicleta e a bola sobrou para Digão.

Publicidade

Como um autêntico centroavante, o defensor finalizou sem chances para Saulo.

A vantagem de 1 a 0 fez o Fluminense se fechar no seu campo para, em jogadas de contra-ataques, definir a partida. Por duas oportunidades, a tática tricolor só não funcionou porque Kayke, o substituto de Pedro, mas uma vez, teve uma atuação apagada.

Enquanto isso, o Botafogo, mesmo tendo mais posse de bola, não tinha contundência ofensiva. A única grande chance alvinegra veio aos 43 minutos.

Depois de um cruzamento vindo da esquerda, Kieza, à queima-roupa, cabeceou firme. De forma milagrosa, Júlio César evitou o empate. O incrível lance no final do primeiro tempo levou o goleiro do Fluminense a se contundir e precisar ser substituído por Rodolfo ainda no intervalo.

No segundo tempo, o Botafogo, atrás no placar, lançou-se mais ao ataque, dando espaço ao Fluminense, que, no entanto, não soube aproveitar para ampliar o resultado e ainda contou com a sorte, quando, aos 38 minutos, Rodolfo, após pênalti infantil cometido por Ayrton Lucas, defendeu a cobrança de Rodrigo Lindoso.

Publicidade

No rebote, Erik mandou por cima do travessão.

Depois do apito final de Leandro Pedro Vuaden, festa dos torcedores do Fluminense e a esperança de dias melhores. Do outro lado, tensão e descrença ainda maior por parte dos botafoguenses.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 1 x 0 BOTAFOGO

Competição: Campeonato Brasileiro - Série A (24ª rodada)

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)

Data: 09/09/2018 (domingo)

Horário:16h (de Brasília)

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden, auxiliado por Jorge Eduardo Bernardi e Leirson Peng Martins, todos da Federação Gaúcha

Renda: R$ 231.090,00

Público: 10.969 presentes

Cartão amarelo: Luciano, Digão e Ayrton Lucas (FLU); Marcelo Benevenuto, Marcinho, Moisés e Erik (BOT)

Cartão vermelho: Não houve.

Publicidade

GOL: Digão (11'/1ºT);

FLUMINENSE: Júlio César (Rodolfo), Léo, Gum, Digão e Ayrton Lucas; Richard, Dodi e Jadson; Luciano (Marcos Junior), Everaldo (Matheus Alessandro) e Kayke

Técnico: Marcelo Oliveira

BOTAFOGO: Saulo, Marcinho (Luis Ricardo), Marcelo Benevenuto, Igor Rabello e Moisés; Matheus Fernandes (Rodrigo Pimpão), Rodrigo Lindoso e Gustavo Bochehca; Luiz Fernando (Brenner), Erik e Kieza

Técnico: Zé Ricardo

Leia tudo e assista ao vídeo