Na última segunda, surgiu a informação de uma possível falsificação da idade do lateral-direito Ernandes, que disputou uma partida da Série A pelo Ceará e 31 jogos da Série B com a camisa do Goiás. Caso tal adulteração seja comprovada, as equipes sofreriam perdas de pontos, acarretando mudanças na lista dos rebaixados e daqueles que subiriam de divisão. Esse episódio remete a outros momentos nos quais os Campeonatos Brasileiros tiveram seus destinos traçados pela Justiça Desportiva.

Publicidade
Publicidade

O mais recente aconteceu em 2013. Ao fim da competição, Náutico (20º), Ponte Preta (19º), Vasco (18º) e Fluminense (17º) ficaram entre os clubes rebaixados à série B, mas a escalação irregular de André Santos, do Flamengo, na partida contra o Cruzeiro no sábado e, no domingo seguinte, a entrada de Héverton, também sem condições de jogo, no compromisso da Portuguesa, em casa, contra o Grêmio, ambas as partidas da última rodada daquele Brasileirão, livraram o Tricolor da Segunda Divisão e condenaram a Lusa do Canindé.

Publicidade

A equipe das Laranjeiras também havia sido beneficiada em 1996, quando, após ficar em penúltimo, acabou se livrando da Série B graças ao escândalo Ivens Mendes de manipulação de arbitragem, o qual teria favorecido o Corinthians e Atlético-PR. Na ocasião, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cancelou o rebaixamento.

Em 1999, adulteração de documento gerou a Copa Havelange

Situação parecida a de Ernandes aconteceu no Campeonato Brasileiro de 1999.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol PaixãoPorFutebol

Naquele certame, a descoberta de documentos com idade adulterada do jogador Sandro Hiroshi, do São Paulo, levou a Internacional e Botafogo conseguissem ganhar na Justiça Desportiva os pontos perdidos em suas partidas contra o clube paulista. Com isso, o Botafogo, que havia sido derrotado por 6 a 1, com um gol de Hiroshi, empurrou o Gama, do Distrito Federal, para a zona de rebaixamento.

Alegando prejuízo, o clube alviverde de Brasília recorreu à Justiça Comum, algo extremamente proibido pela FIFA.

Mesmo assim, a agremiação candanga obteve êxito e a CBF, diante disso, julgou-se incapaz de organizar o Brasileirão de 2000. Foi então que os grandes do futebol nacional se mobilizaram e, liderados pelo Clube dos Treze, promoveram a Copa João Havelange com quatro módulos e 116 participantes.

O principal módulo Azul com 25 clubes: os 17 da Série A do ano anterior, mais Goiás e Sana Cruz, respectivos campeões e vice da Série B de 1999, Botafogo, Gama, Juventude, que havia sido rebaixado da Primeira Divisão em 1999, Fluminense, que havia subido para a Série B em 1999, além de Bahia e América-MG, ambos rebaixados para a Série C, em 2000.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo