Anúncio
Anúncio

A partida disputada pelo Campeonato Italiano entre Inter de Milão e Napoli, na cidade de Milão, foi marcada com vários atos de racismo contra o jogador Koulibaly.

O episódio começou ser notório nos primeiros minutos de jogo, com cantos racistas e sons de macacos. O alto falante do estádio pediu bom senso aos torcedores mais de uma vez, mas sem sucesso.

Carlo Ancelotti, técnico do Napoli, solicitou diversas vezes ao árbitro que a partida fosse interrompida mas não obteve sucesso. Já no fim da partida, aos 35 minutos do segundo tempo, Koulibaly levou o segundo amarelo e foi expulso por cometer falta ao jogador Politano, da Inter. Muito chateado foi consolado por alguns jogadores.

Desabafo

Magoado, Koulibaly em sua rede social desabafou: "Peço desculpas pela derrota e, sobretudo, por ter deixado meus companheiros na mão.

Anúncio

Mas tenho orgulho da cor da minha pele. De ser francês, senegalês, napolitano: homem."

Kalidou Koulibaly tem origem senegalês, tem 27 anos e defende o Napoli desde 2014.

Em entrevista em 2016 o ex jogador e hoje técnico Diego Maradona já havia alertado sobre o racismo que acontecia com Koulibaly, dizendo que era o melhor zagueiro do campeonato italiano e que "se fosse branco, estaria jogando pelo Real Madrid ou Barcelona!"

Jogadores e demonstraram solidariedade ao zagueiro

Mohamed Salah, egípcio e craque do Liverpool disse: "Não há lugar para o racismo no Futebol. Não há lugar para o racismo em nenhum lugar."

Em sua conta do Instragram o português Cristiano Ronaldo também se solidarizou e comentou: "No mundo e no futebol eu sempre quero educação e respeito.

Anúncio

Não ao racismo e a qualquer ofensa e discriminação"

O companheiro de equipe Mertens também usou as redes sociais para demonstrar apoio: "Você é uma das pessoas mais bonitas que eu conheço, por favor nunca mude. Não reaja a essas babaquices. Vamos permanecer juntos!"

Punição à Inter de Milão

Após os fatos, a Federação Italiana de Futebol decidiu punir o time milanês com multa e com a pena de duas partidas em casa com portões fechados.

Em caso mais recente no Brasil, houve o fato de vários torcedores do Grêmio terem ofendido o goleiro Aranha, que na época defendia o Santos, durante a Copa do Brasil de 2014. O goleiro solicitou providências do árbitro e nada foi resolvido durante a partida. Mas como punição o Grêmio foi eliminado da competição em julgamento pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Anúncio