Uma das cenas marcantes [VIDEO] da Eurocopa, disputada em 2004, foi o goleiro português Ricardo defender um pênalti sem luvas durante a decisão de uma vaga nas semifinais contra a Inglaterra. Comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari e ainda com um jovem Cristiano Ronaldo, Portugal jogava em casa e buscava a inédita conquista.

Quinze anos depois, o guarda-redes relembra o que motivou a abandonar as luvas na hora da cobrança decisiva, executada por Darius Vassell.

Publicidade
Publicidade

“O momento de tirar as luvas foi instintivo”, relembrou o goleiro à agencia Lusa. Ele falou que esta foi a maneira arranjou para motivar a si mesmo e desmotivar o adversário.

Em relação aos conselhos que supostamente teriam sido dados por Eusébio antes da marcação das grandes penalidades, Ricardo admitiu que a conversa visou tranquilizar o “Pantera Negra”, em cuja memória se instalava o duelo entre as mesmas duas seleções, no Mundial de 1966.

Publicidade

Emoção até o fim da prorrogação

Antes, é preciso relembrar como foi aquele épico duelo contra os ingleses, disputado no Estádio da Luz, em Lisboa. Logo aos três minutos, Owen abriu o placar a favor da equipe inglesa, que manteve a vantagem até os 37 minutos do segundo tempo, quando Postiga escorou cruzamento de Simão para deixar tudo igual e levar o jogo para a prorrogação.

Já no segundo tempo da prorrogação, Rui Costa fez bela jogada e da entrada a área acertando um belo chute, no ângulo, para virar o marcador a favor dos donos da casa.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol PaixãoPorFutebol

Mas ainda não tinha acabado e, após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Lampard, que girou e bateu sem chances para o goleiro português.

Com o empate a disputa foi para as penalidades, onde na primeira cobrança, o astro inglês David Beckham isolou a bola. Na sequência todas as cobranças foram convertidas até chegar na de Rui Costa, que fecharia a série e bastava ele converter para que Portugal se classificasse, mas o camisa 10 chutou longe do gol, fazendo com as cobranças passassem a ser alternadas. Na primeira série alternada cada time converteu. Na cobrança inglesa seguinte, veio o momento, que para Ricardo, foi o mais impactante da competição.

Abandonou as luvas

Na sétima cobrança a ser executada pelo time inglês, Ricardo simplesmente abandonou seu assessório e foi com as “mãos nuas” buscar a consagração. E com um grande salto no canto esquerdo, ele conseguiu parar o chute do adversário, mas tem uma lamentação a fazer. “Quem nos dera que aquele jogo tivesse sido a final (...) Teria sido a cereja em cima do bolo, em termos de emoção e espetáculo”, disse.

Publicidade

Quinze anos depois ele diz que nunca falhou em penalidades e que naquele momento não poderia falhar. Ele também recusa a alcunha de “herói”, creditando a conquista da vaga para a semifinal a todos os jogadores. “Todos nós tivemos (esse papel). Não gosto de individualizar.”, falou.

Coube ao próprio Ricardo executar e converter a sétima cobrança de Portugal, o que classificou o time da casa para a semifinal, contra a Holanda, onde venceram por 2 a 1, mas na decisão, contra a Grécia, eles foram surpreendidos e perderam por 1 a 0.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo