A crônica esportiva perdeu nesta sexta-feira (24), o jornalista Sérgio Noronha. Ele tinha 87 anos de idade e sofria de Mal de Alzheimer e há dez dias estava internado no Hospital Rio Laranjeiras e não resistiu a uma parada cardíaca vindo a falecer nesta tarde. Não há informações sobre velório ou sepultamento.

Em parentes próximos no Rio de Janeiro, Noronha vivia no Retiro dos Artistas, com a ajuda do ex-árbitro e companheiro na TV Globo Arnaldo César Coelho, onde acabou contraindo uma pneumonia e ele precisou ser internado no CTI do Hospital, onde passou uma semana.

Na quinta-feira (23), ele chegou a ser transferido para um quarto, mas sofreu uma parada cardíaca.

Sérgio Noronha iniciou no rádio

Sérgio Noronha nasceu no dia 28 de dezembro de 1932, no Rio de Janeiro. Cursou Letras na Faculdade Lafayete e começou a trabalhar na revista O Cruzeiro aos 22 anos de idade. Em 1959 ingressou no Jornal do Brasil, onde atuou como repórter. Passou pelo Diário Carioca, Correio da Manhã e Última Hora. Também escreveu para as revistas TV Guia e Senhor.

Sua chegada na televisão foi em 1975, quando foi contratado pela TV Globo, onde teve duas passagens.

Na emissora trabalhou nas coberturas das copas de 1978, 1982, 2002 e 2006. Trabalhou ainda na TV Educativa, Rádio Globo, Rádio Tupi e SporTV. Em 2009 foi contratado pela TV Bandeirantes e em 2011 foi um dos comentaristas do Premiere.

Ex-companheiros lamentam a morte de Noronha

Os ex-companheiros de TV Globo lamentaram a morte do comentarista Sérgio Noronha. O narrador Galvão Bueno postou um vídeo nas redes sociais, onde diz que a imprensa brasileira perdeu um de seus grandes comentaristas, mas ele perdeu um grande amigo e um mestre.

Galvão disse que com Noronha ele aprendeu a ser um profissional mais completo e também uma pessoa humana muito melhor. Que Deus o receba com muito amor e muito carinho, ‘Seu Nonô’”, finalizou o narrador.

Arnaldo César Coelho, ex-comentarista de arbitragem, também gravou um vídeo para se despedir do amigo. Muito emocionado, ele lembrou a época do Futebol dos anos 60, em que Noronha ficava no paredão pressionado a arbitragem.

“Ficava me pressionando quando era juiz. Ali conheci ele”, lembrou Arnaldo. “A vida toda foi meu companheiro”.

O ex-jogador e comentarista Júnior também falou sobre a morte de Noronha, a quem substituiu no posto de comentarista na TV Globo. Júnior classificou Noronha como “um ícone do jornalismo esportivo brasileiro” primeiro no jornal e depois na televisão.

Os clubes também lamentaram a morte do comentarista esportivo. O Vasco, da qual Noronha era torcedor, postou uma mensagem lamentando seu falecimento. O Flamengo foi outro time carioca a também se manifestar sobre o falecimento do jornalista.

Siga a página Futebol
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!