Na tarde desta quarta-feira (15), por meio de videoconferência, presidentes dos 16 times da Série A1 do Campeonato Paulista se reuniram com o presidente Reinaldo Carneiro Bastos e com Moisés Cohen, presidente do Comitê Médico da Federação para tratar sobre a continuidade do campeonato. A competição, assim como todas as atividades esportivas no país, segue parada por conta de medidas para conter o avanço do novo coronavírus.

Sem ainda ter uma data para que a bola volte a rolar, todos chegaram a um consenso que a competição será decida dentro de campo, isso tanto vale para o campeão quanto para os times rebaixados.

Uma nova reunião virtual será agendada para tratar sobre a questão das datas. O retorno será feito seguindo as determinações das autoridades de saúde.

Quando o campeonato voltar, a ideia é que inicialmente o restante das partidas ocorra com portões fechados, para dessa forma se evitem aglomerações, apesar de entender que isso gere prejuízos técnicos e financeiros às equipes.

Também ficou definido que a Comissão Médica da Federação Paulista definirá um protocolo de segurança de modo a garantir a segurança de todos os envolvidos nas partidas.

O Paulistão foi suspenso no dia 16 de março, quando restavam duas rodadas para o final da primeira fase. O governador João Doria estendeu a quarentena em todo o estado de São Paulo até o próximo dia 22, no entanto, pode ser que ela seja novamente prorrogada.

A Federação emitiu um comunicado após a reunião onde afirmou que em respeito aos torcedores, ao Grupo Globo (detentor dos direitos de transmissão) e aos parceiros comerciais, a competição seguirá até o final. A nota diz que o campeonato cumprirá a Lei Pelé, o Estatuto do Torcedor e as normais vigentes da Federação.

Problemas para times do interior

Enquanto que as grandes equipes praticamente não mexerão em seus elencos no meio do ano, uma vez que ainda estarão em meio a disputa da Copa Libertadores da América e já iniciarão na sequência a disputa do Campeonato Brasileiro, o mesmo não se pode dizer das equipes do interior, que terão dificuldades para manter seus elencos originais.

Isso porque grande parte dos times fez acordo com jogadores válidos até o final de abril, quando estava previsto o termino da competição, e alguns atletas já estão até mesmo acertados com outros times para o segundo semestre.

“A Federação vai tomar algumas providências para que nenhum clube fique sem elenco”, disse Genilson da Rocha Santos, presidente do Grêmio Novorizontino.

Nesta quinta-feira (16), será feita a reunião com os times que disputam a Série A2 e na sexta-feira (17), será discutido os rumos da Série A3 do estadual. Tudo por meio de videoconferência.

Siga a página Futebol
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!