O ponto de partida para quem quer conhecer a Espanha é entender que seu território é o segundo maior da #Europa Ocidental e está dividido em 17 comunidades autônomas, como se fossem Estados dentro de uma Federação. Cada comunidade é um “país” com suas tradições, dialetos e peculiaridades.

Essa introdução geográfica é para explicar que, apesar das cidades mais famosas, como Barcelona, Madri e Toledo, a Espanha oferece muito, mas muito mais aos seus visitantes. Seguindo nesta linha, cidades fora dos eixos mais turísticos, inicia-se a descoberta!

Cuenca – região de Castela la Mancha

Registros mostram que no século VIII foi construída, pelos mouros, entre os desfiladeiros dos rios Huécar e Júcar, uma fortaleza que posteriormente deu origem a pitoresca cidade de Cuenca.

Inacreditavelmente suas casas fixadas nas encostas, também conhecidas como Casas Colgadas, ainda se encontram intactas. Em 1996 foi declarada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. A cidade se divide entre a parte nova e a velha, na parte nova uma estrutura satisfatória e um clima muito agradável nas ruas e na parte velha é como entrar pelas folhas de um livro de história.

Em Cuenca, encontra-se uma Catedral estilo gótico, imponente como muitas outras, mas com uma peculiaridade, muitas capelas no seu interior, que com auxílio de um áudio-guia, contam histórias do seu povo. Uma das mais impressionantes da Espanha.

Roquetas Del Mar – Andaluzia

Descendo pela costa do mar mediterrâneo, uma das extremidades do país, na região de Almería, encontra-se um balneário chamado Roquetas del Mar, oferece uma hospedagem pé na areia, uma praia estruturada e bons restaurantes com um ótimo custo-benefício.

Os melhores vídeos do dia

Roquetas, até o século XVIII, apesar de muito visitada, não era exatamente habitada. Seu desenvolvimento teve início com uma Vila de Pescadores e evoluiu com uma imigração vinda principalmente de Granada com o objetivo de desenvolver a agricultura local. Com a construção da primeira estufa, a cidade se tornou um destaque nesta forma de produção. São imensas áreas aos arredores da cidade que funcionam a todo vapor.

Como é bem pequeno, de dois a três dias são suficientes para visitar os pontos turísticos e curtir a praia.

Sevilha – capital de Andaluzia

Para cidadãos cosmopolitas. Imponente, moderna e histórica, simultaneamente.

Se possível, destine pelo menos 3 dias para apreciar tudo que Sevilha oferece, com parada obrigatória na Plaza de España, no Alcázar e na Catedral de Sevilha, uma das maiores do mundo, além de assistir uma apresentação de dança flamenca, claro!

Aproveitando a proximidade, principalmente para aqueles que apreciam o vinho de Jerez ou são apaixonados por cavalos e arte equestre, siga para Jerez de la Frontera.

Jerez de la Frontera – Andaluzia

Já na pontinha do território espanhol, encontra-se Jerez a cidade que desenvolveu um sistema de maturação dos seus vinhos em pirâmides de barricas, o que o tornou único no mundo. A visitação as bodegas da região é ponto turístico certo. Outro destaque é para a Real Escola de Arte Equestre, respeitada internacionalmente, com seus belos cavalos da raça Andaluz e seu treinamento invejável e encantador.

As estradas na Espanha são muito tranquilas e de fácil tráfego, alugar um carro ou uma motocicleta para desbravar o país é uma excelente opção.

Por hora, é isso. Permita-se! #Entretenimento #Viagem