Segundo o governo de Camarões, o exército camaronês matou no mínimo quarenta e um militantes islâmicos do grupo Boko Haram, durante o último fim de semana. As mortes ocorreram durante combates em que o exército repeliu os avanços dos islâmicos ao longo de sua fronteira com a Nigéria.

De acordo com Issa Tchiroma, ministro da Informação, o grupo nigeriano, que tinha como tática promover ataques isolados em assentamentos separados, mudou de tática ao atacar de forma coordenada cinco cidades e vilarejos (Makari, Amchide, Limani e Achigachia).

A campanha do grupo para estabelecer um califado islâmico no país cresceu a partir de seu esconderijo no nordeste da Nigéria, em direção a Camarões. Esse avanço gerou medo, pois a região já sofre ameaças de militantes islâmicos do Sahel.

Vários soldados foram enviados à região pelo governo de Camarões numa tentativa de combater militantes. O governo declarou também que no domingo, pela primeira vez foram lançados ataques aéreos contra o movimento.

Tchiroma também informou que o exército fez um cerco a uma base que estava sendo usada pelos militantes em Chogori. Do confronto, trinta e quatro militantes foram mortos; além de outros sete e um soldado, próximo à cidade de Waza.

Conheça o Boko Haram

Em hausa (uma das línguas da Nigéria), Boko Haram significa 'Educação não islâmica é pecado'.

É um grupo radical islâmico que nasceu a partir de uma seita, que atraiu inúmeros jovens do norte da Nigéria.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

O objetivo do Boko Haram é estabelecer as leis do Islã no país. O grupo é contra o governo nigeriano e também condena a educação ocidental e não aceita que mulheres frequentem escola. Em abril desse ano, os militantes do grupo islâmico invadiram uma escola secundária, na cidade de Chibok, em Borno, e sequestraram duzentas e setenta e seis jovens nigerianas. Colocadas em um caminhão, cinquenta e três conseguiram fugir.

O restante das jovens foi levado. Em maio, Abubakar Shekau, líder do grupo, anunciou que as meninas seriam vendidas.

Em junho, houve a notícia de que mais vinte meninas haviam sido sequestradas. 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo