Um canal francês foi alvo de hackers na noite da última quarta-feira, 8. Ainda hoje, o TV5Monde permanecia fora do ar, após ser atacado virtualmente por um grupo que se afirma pertencente ao Estado Islâmico. O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, afirmou, por meio de sua conta no Twitter, que a ação dos hackers é um atentado contra a liberdade de expressão e de informação. Várias autoridades se deslocaram na manhã desta quinta-feira, 9, à sede do canal em Paris.

Bernard Cazaneuve, Ministro do Interior, afirmou que as investigações estão em curso e completou dizendo que está decidido a combater os hackers.

Já a Ministra da Cultura, Fleur Pellerin, informou que uma reunião está sendo marcada com diretores dos maiores meios de comunicação do país, para discutir o ocorrido.

Às 22h de ontem em Paris, as transmissões do canal foram interrompidas e substituídas por telas pretas, em um ataque considerado sem precedentes. Ao mesmo tempo, todas as contas do TV5Monde foram hackeadas na internet, como o Facebook, o Twitter e portais do canal.

Neles, foram publicadas pelos hackers informações que alegavam que o ataque era resultado de uma ação do EI.

O canal só conseguiu substituir as telas pretas por volta das 5h, ao transmitir um programa único de emergência. No entanto, a situação só deveria ser completamente contornada por volta das 14h (horário de Paris). Até o momento, a emissora não conseguia colocar no ar noticiários próprios e estava com todas as contas de e-mail bloqueadas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

As contas na internet já foram restabelecidas. No entanto, a conta do Facebook da rede de televisão foi usada para divulgação de identidades e informações de pessoas ligadas a soldados franceses envolvidos no combate ao Estado Islâmico. A mensagem dizia para que os franceses se afastassem das operações de identificação de militantes islâmicos, enquanto são capazes de "salvar suas famílias".

O ataque seria uma resposta à participação da França em uma coalizão de combate ao Estado Islâmico.

A coalizão, liderada pelos Estados Unidos, tem realizado uma série de bombardeios aéreos nas regiões de predominância do EI, na tentativa de combater os militantes.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo