TURQUIA - Aviões turcos tem pela primeira vez realizado ataques aéreos contra o Estado Islâmico. De acordo com relatórios da Al Arabiya, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, afirmou que os ataques turcos destruíram todos os objetivos do EI que ameaçavam a fronteira entre a Síria e a Turquia.

Os aviões de Guerra de Ankara, atingiram os objetivos do EI na divisa com a Síria. A emissora TRT afirmou que quatro aviões de guerra saíram da base de Diyarbakir, no sudeste do país para destruir as bases do Estado Islâmico na cidade de Havar, na Síria. De acordo com a televisão estadual, os aviões não violaram o espaço aéreo sírio.

Nas primeiras horas desta sexta-feira (24), a polícia lançou ataques contra militantes curdos do Estado Islâmico em todo o país, prendendo 297 pessoas.

Em Istambul, mais de 5.000 policiais foram ativados. Foram presos também os membros da ala juvenil ilegal do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e um grupo de extrema-esquerda marxista (DHKP-C). A televisão turca afirmou que no ataque aos objetivos do Estado Islâmico na Síria foram mortos pelo menos 35 militantes do grupo terrorista. Erdogan afirmou que a operação contra os militantes continuará.

Os ataques aéreos vieram depois de dias de ataques terroristas contra o povo turco:

  • Segunda-feira 20 de julho de 2015:  32 pessoas foram mortas após a explosão de uma bomba em Suruc - EI foi responsabilizado por isso;
  • Quinta-feira 23 de julho de 2015: militantes curdos disseram de ter matado 2 policiais na cidade de Celapinar, afirmando que colaboravam com o Estado Islâmico;
  • Também na mesma quinta-feira, militantes do EI, atacaram um posto de fronteira turco perto de Kilis. O exército turco relatou ter matado um dos militantes.

Acordo entre Estados Unidos e Turquia

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, confirmou de ter concedido aos EUA o uso da base de Incirlik, na província meridional turca de Adana, para conduzir operações militares contra o Estado Islâmico.

Os melhores vídeos do dia

O acordo foi finalizado por telefone com o presidente norte-americano Barack Obama nesta quarta-feira (22). A confirmação de Erdogan veio horas depois aviões turcos terem realizado ataques contra o Estado Islâmico na Síria.

O governo turco sempre foi criticado pelos países ocidentais pela sua ambivalência com os militantes do EI e por não fazer o suficiente para combatê-los apesar de ser parte da coalizão. Com o novo acordo a Turquia deixou claro a sua função nesta guerra contra os terroristas.

Funcionários norte-americanos afirmaram que os Estados Unidos, através do acordo com os turcos, querem intensificar os bombardeios nos territórios ocupados pelos militantes do Estado Islâmico.