Pelo menos seis policiais ficaram feridos no Cairo, na noite de quarta-feira (19) a quinta-feira (20), pela explosão de um carro-bomba que visava a Polícia, segundo o Ministério do Interior Egípcio.

A explosão ocorreu no distrito de Shubra, contra uma delegacia da Segurança do Estado, um serviço da polícia. “Um estranho de repente parou o carro diante do prédio, saiu dele e pulou em uma motocicleta para fugir.

Em seguida, o carro explodiu”, explica o Ministério do Interior em um comunicado.

A polícia e o exército fecharam as estradas que levam ao local da explosão, inacessível aos jornalistas. Segundo um oficial da segurança, que pediu anonimato, a bomba “destruiu parcialmente o edifício”.

O ataque não foi reivindicado, mas a província do Sinai, o ramo egípcio do grupo Estado Islâmico (EI), dirige ataques regulares contra policiais e soldados, desde que o exército destituiu e prendeu, em 03 de julho de 2013, o presidente islamita Mohamed Morsi, eleito pelos seus apoiadores de sangue. Centenas de policiais e soldados foram mortos em dois anos, principalmente, no Sinai.

Nova lei “antiterrorismo”

Desde que assumiu o poder e eliminou qualquer oposição do cenário político, islamita, mas, também laico e liberal, o marechal Abdel Fattah Al-Sissi é acusado por organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, de liderar um regime “mais repressivo” que o de Hosni Moubarak, cassado do poder no final de 2011 por uma revolta popular na linha da Primavera árabe.

No último domingo, Al-Sissi adotou por decreto uma nova lei antiterrorismo, imediatamente denunciada pelas organizações de defesa dos direitos humanos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Além de garantir a impunidade generalizada aos oficiais que usassem da força, a lei proibiria os jornalistas de fazer circular, inclusive em redes sociais, qualquer informação que contradissesse as declarações oficiais do regime contra o terrorismo.

Na noite de quarta-feira, os repórteres foram ao local da explosão e denunciaram a impossibilidade de trabalharem.

Washington, principal fornecedor de armas e de fundos do exército egípcio, também se expressou “preocupado” diante dos eventuais “efeitos nefastos” dessa lei “sobre os direitos humanos e liberdades fundamentais”.

Leia mais:

Brasileiros são mais conservadores do que argentinos, revela pesquisa global

Vulcão Sakurajima no Japão pode entrar em erupção

Califórnia encontra solução para escassez de água potável

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo