A professora aposentada, Ellen Stolpe, que tinha deixado o seu carro estacionado perto de uma cabana do Parque Nacional de Yellowstone, nos EUA, encontrou-o em más condições, algum tempo depois, após a passagem de um urso preto, relata o New York Times.

De passagem em Montana (Norte dos EUA) para visitar o seu pai, Ellen tinha de fato cumprido as recomendações feitas a ela sobre os ursos: não deixar comida ou lixo em seu carro.

No entanto, ela não pensou em fechar as portas. O urso, que conseguiu abrir uma das portas, provavelmente ficou preso quando se fechou. O carro estava estacionado em uma ladeira.

O urso ocupou o assento do motorista

Em pânico, o animal tumultuou o interior do veículo: o tecido dos assentos e algumas peças plásticas foram alvo dos seus ataques. O urso também teria torcido a porta de metal do motorista, sem se esquecer de fazer cocô no banco.

Alguém também ouviu uma buzina de carro por volta das 5:30 am. Finalmente, quando alguém se aproximou do carro, o urso escapou, passando pelo para-brisa.

No final do verão e outono, os ursos estão começando a fazer reservas de gordura para a hibernação. Ellen Stolpe, aliviada por ninguém ter se ferido, disse que estava preocupada que o urso, em sua busca por comida, aproximasse-se cada vez mais dos homens, correndo o risco de ser morto.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Natureza

O número de ursos-pretos norte-americanos é estimado em aproximadamente 500.000. Apenas as populações do Leste do país estão em perigo de extinção.

Quando se sente acuado, o urso-preto distribui vigorosos golpes com suas patas dianteiras. Contudo, geralmente ele é um dos mais pacíficos entre os grandes ursos. Ágil escalador, devido às suas garras afiadas, ele normalmente procura refúgio no alto das árvores.

Ainda filhote, o urso-preto tem grande habilidade para subir em árvores e montanhas. É, principalmente, um habitante da floresta, mas a sua pelagem espessa fez com que se dispersasse para o Norte.

Passam o inverno sozinhos, hibernando, em uma caverna, sobre uma confortável cama de folhas. É ali que nascem os filhotes. Ficam com a mãe até os dois anos, quando atingem um tamanho aceitável e habilidades próprias dos adultos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo