A Alemanha anunciou neste domingo, dia 13, que irá redefinir seu controle de fronteiras para conter o fluxo de imigrantes que têm desembarcado no país. A informação foi anunciada pelo ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maiziere, que afirmou que o tráfego de trens entre a Áustria e Alemanha foi suspenso por 12 horas a partir deste domingo, e que centenas de oficiais germânicos serão enviados para atuar no controle das fronteiras.

"A Alemanha introduz provisoriamente controles em suas fronteiras, em particular com a Áustria”, disse o ministro alemão durante breve declaração em Berlim. “[O bloqueio] Também é absolutamente necessário por razões de segurança", completou Maiziere.

Estima-se que a Alemanha tenha recebido mais de 60 mil imigrantes nas duas semanas, grande parte entrando ao país através de Munique. Vindos em grande maioria da Síria, os Refugiados têm recebido atenção especial das autoridades europeias, que nas últimas semanas estão debatendo sobre como resolver a questão da imigração. A situação também tem atraído grande atenção popular, com diversas manifestações em apoio ao refugiado registradas na Europa.

Segundo a Comissão Europeia, a medida alemã de redefinir o controle de suas dividas é legal e prevista pelo código de fronteiras de Schengen. De acordo com o ministro Maiziere, os oficias que atuarão nas fronteiras verificarão passaportes e documentos que comprovem o direito a asilo no país.

Após se deslocarem do Oriente Médio, os refugiados têm chegado em Budapeste, na Hungria, de onde se deslocam até a Áustria, e de lá para a Alemanha e outros países europeus.

Os melhores vídeos do dia

Principal porta de entrada alemã, a cidade de Munique tem recebido uma grande quantidade de refugiados. Segundo a polícia local, apenas neste sábado foram realizados mais de 12 mil pedidos de asilo.

Autoridades alemãs também têm se mostrado preocupado com a falta de condições para oferecer abrigo a todos os refugiados que estão desembarcando no país. Algumas cidades da região da Bavária, como a capital Munique, afirmam estar perto de sua capacidade máxima de abrigo. Prefeito de Munique, Dieter Reiter emitiu no sábado, dia 12, um alerta sobre a falta de vagas para receber todos os imigrantes que têm chegado à cidade.

Vice-chanceler alemão pede ajuda de outros países no auxílio aos refugiados

Vice-chanceler da Alemanha, Sigmar Gabriel afirmou em entrevista ao jornal Der Tagesspiegel que outros países da Europa e do mundo precisam reforçar o auxílio dado aos imigrantes provenientes da Síria. “A Europa deve providenciar 1,5 bilhão de euros para alimento, abrigo e escola aos refugiados, e os estados do Golfo Pérsico e os Estados Unidos devem fornecer o mesmo”, disse.

O braço-direito de Angela Merkel também cobrou a ajuda dos países como um ato humanitário, comparando com outros auxílios já fornecidos para resgatar instituições financeiras. “Não é possível que bilhões de euros sejam mobilizados em poucas semanas para resgatar bancos, mas que a comunidade internacional não seja capaz de produzir uma fração deste montante para resgatar pessoas”, concluiu o vice-chanceler germânico.