Um dos principais assuntos que merece atenção envolve as condições dos refugiados que chegam à Europa. Esses refugiados fogem de situações delicadas. Em sua maioria são vítimas de guerras civis, perseguições, pobreza, miséria, repressão política e religiosa. Eles buscam no continente europeu uma chance para viver de forma digna, mas a realidade nem sempre chegam à terra firme. Só esse ano de 2015, as estáticas indicam que mais de 2.500 pessoas morreram afogadas durante a travessia.

Todos aqueles refugiados que cruzaram o Mar Mediterrâneo nos seis primeiros meses de 2015, era formado por homens, mulheres e crianças da Síria.

Logo em seguida encontram-se os refugiados originários de países como Afeganistão e Eritréia.

Outra realidade de todas essas pessoas que viajam na intenção de chegarem à Europa descreve como é difícil todo o trajeto. Muitos viajam em barcos de madeira, passam por pântanos, florestas, dormem na rua e até mesmo na prisão. São vítimas de preconceito e não se alimentam bem. Para atravessar o Mediterrâneo, muitos imigrantes se arriscavam em embarcações superlotadas e sem segurança, que eram aliciadas por traficantes de pessoas - sendo que para cada pessoa era cobrado o valores equivalentes a R$ 10 mil, isso torna o negócio altamente lucrativos, pois um único barco poderia render até US$ 1 milhão. Como em todo tipo de tráfico de pessoas no mundo, apesar do alto pagamento, eles não têm qualquer garantia de que chegarem bem ao local final.

Os melhores vídeos do dia

E muitos ao chegarem no destino final correm o risco de serem mandados de volta aos seus países de origem.

De acordo com o relatório da ONU mais de 7 milhões de sírios abandonaram suas residências e mais da metade da população vive na pobreza. O principal destino dos refugiados são a Turquia, que já recebeu 1,8 milhões de pessoas, somente no primeiro semestre desse ano e a Europa, mais de 44 mil pessoas saíram da Síria com destino a esse continente.

Entretanto, o que se espera de toda essa situação é uma melhoria em relação aos direitos humanos. É preciso uma atitude moderadora dos líderes políticos para resolver toda essa situação tão agravante no cenário internacional.