A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que já são cerca de 4 mil infectados pelo vírus zika nas Américas. A OMS convocou uma comissão de emergência com especialistas para discutir a emergência do assunto na próxima segunda-feira (31). A gravidade da situação é somada ao fato de não existir, ainda, vacina contra o vírus.

Os números da OMS, que projetam entre 3 e 4 milhões de afetados (incluindo o Brasil com 1,5 milhões de casos), são preocupantes.

Margaret Chan, diretora da agência, assumiu que o nível de alarme é extremamente elevado. "Perguntas existem, mas temos de encontrar algumas respostas rapidamente", disse.

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) informaram que são 31 casos de zika confirmados nos EUA, e todos relacionados com os viajantes de outros países.

Além disso, a agência disse que este número está aumentando rapidamente.

O país também tem 20 casos adicionais devido à transmissão local em territórios norte-americanos, 19 em Puerto Rico e um nas Ilhas Virgens.

O Brasil é um dos países mais afetados pela doença. O diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Claudio Maierovitch, afirmou que está investigando 12 casos confirmados em bebês nascidos com microcefalia causada pelo vírus zika, e há mais de 4 mil casos suspeitos de mortes por microcefalia.

Estou grávida, como saber se eu tenho a Zika?

Por evidências de defeitos congênitos que podem causar zika em recém-nascidos, vários países da região das Américas aconselham mulheres em idade fértil para evitar medidas de gravidez.

Bruce Aylward, diretor-executivo de emergências de saúde da OMS, disse que as mulheres que estão grávidas devem ter "uma abundância de cautela" para evitar picadas de mosquito.

Os melhores vídeos do dia

OMS informou que o vírus parece estar se espalhando tão rapidamente na área por dois motivos: primeiro, é uma nova doença na região e a população não tem imunidade e, por outro, o zika é transmitido principalmente pela picada do mosquito Aedes Aegypti, que vive em todos os países do Norte e do Sul, exceto no Canadá e Chile, e também transmite a dengue, chikungunya, febre amarela e febre do Nilo Ocidental.

Os funcionários da OMS disseram que os atuais esforços se concentram em controlar a propagação do vírus pela destruição de populações de mosquitos.