Nessa sexta-feira, 26 de fevereiro, serão realizadas as Eleições para a Federação Internacional de Futebol, a Fifa, entidade máxima do futebol mundial. Atualmente, quem ocupa o cargo de presidente da Fifa é o camaronêsIssa Hayatou, que chegou ao posto após diversos dirigentes, entre eles o antigo presidente Joseph Blatter, serem envolvidos em denúncias de corrupção, que envolveram também dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Mas como funciona o processo eleitoral na Fifa? Quem são os responsáveis por escolher a pessoa que irá comandar os rumos do futebol a nível mundial nos próximos anos? É o que explicamos a seguir.

O sistema eleitoral é simples e transparente (ao menos no momento da votação, já que as tramas políticas que se desenvolvem nos bastidores parecem ser inesgotáveis e dignas de filmes). Na sexta-feira, cada uma das 209 federações nacionais de futebol ligadas à Fifa terá direito a um voto.

Todos os votos têm o mesmo peso. Esses votos são dados em um congresso que reúne os representantes dessas federações. A votação é feita por ordem alfabética, de acordo com a sigla em inglês de cada federação.

A eleição pode acontecer em dois turnos. Para vencer no primeiro turno, o candidato precisa alcançar dois terços dos votos. Indo para o segundo turno, basta 50% mais um para que um vencedor seja declarado.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Futebol Eleições

A divisão entre os continentes não leva em conta o peso futebolístico, e sim a quantidade de federações. Dessa forma, o continente africano terá o maior número de votos, 54, representando 26%. A Europa vem a seguir, tendo direito a 25% dos votos (53, no total), seguida pela Asia, com 46 votos (22%), pela América do Norte e Central, com 35 votos (17%), pela Oceania, com 11 votos (5%) e, finalmente, pela América do Sul, que contará com 10 votos (5%).

Na disputa dessa sexta, serão cinco candidatos:Ali al Hussein, príncipe da Jordânia e ex vice-presidente da Fifa;Gianni Infantino, secretário geral da UEFA;Salman al Khalifa, membro da família real do Bahrein e presidente da federação da Ásia;Jérôme Champagne, ex vice-secretário-geral da Fifa; e Tokyo Sexwalle empresário de minérios sulafricano.

Como se vê, embora com voto secreto e com peso igual para todos, não são peixe pequeno os candidatos a presidir a Fifa no próximo período.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo