As autoridades francesas revelaram que o que causou a morte de 12 imigrantes portugueses foi um choque frontal entre um caminhão e um micro-ônibus por volta da meia-noite de hoje. Tal como informa o site “Notícias ao Minuto”, a polícia local, de uma região muito próxima de Lyon, já conseguiu identificar 11 corpos dos 12 que morrerem, sendo que resta agora a família das vítimas ser acompanha por um grupo de psicólogos. O terrível acidente não teria sido motivado pelo excesso de álcool, mas sim por cansaço ou então por excesso de velocidade.

Em uma altura em que a época pascal chegou, na #Europa muitos imigrantes viajam para os seus países de origem para passar o final de semana religioso em família.

Contudo, e tal como acontece muitas vezes, as viagens tem uma duração muito prolongada, o que faz com que o cansaço ou então o excesso de velocidade, bem como muitas estradas perigosas, provoquem dezenas de vítimas nessas alturas.

Foi precisamente o que aconteceu com um grupo de imigrantes portugueses que, tal como informou as autoridades locais à imprensa internacional, viajava da região suíça de Friburgo para Coimbra, no centro de Portugal. Segundo informa o site “Notícias ao Minuto”, não tinham passado nem sequer três horas desde o início da viagem quando o micro-ônibus, considerado muitas vezes inapropriado para viagens tão longas, chocou de frente com o caminhão, tendo matado instantaneamente quase todos os passageiros do micro-ônibus, onde apenas o condutor, um português de 19 anos, conseguiu sobreviver, bem como os dois italianos presente no caminhão.

Os melhores vídeos do dia

Testes já realizados provam que nenhum dos condutores das duas viaturas estava alcoolizado, o que fez com que muitos imigrantes, também brasileiros, nas redes sociais criticassem duramente a estrada onde aconteceu o acidente, garantindo que ela é muito perigosa para os condutores inexperientes e que não conhecem bem a zona, o que teria acontecido com o jovem português de 19 anos. Os corpos já foram analisado e identificados, sendo que as famílias das vítimas também já foram informadas e vão ser acompanhadas nas próximas semanas por psicólogos. #Investigação Criminal #Emigração