O vazamento de 11 milhões de arquivos de dados financeiros tem mostrado como líderes mundiais, figuras políticas, celebridades e estrelas do esporte estão escondendo suas riquezas utilizando contas ‘offshore’ (em paraíso fiscal). Hoje, o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos - uma rede global de jornalistas que teve um recorde histórico na publicação de documentos secretos LuxLeaks em 2014 e Swiss Leaks em 2015 - publicou detalhes de acordos financeiros, o chamado ‘Panama Papers’, expondo uma onda de atividades ilegais por líderes políticos pelo mundo para evitar o pagamento de impostos.

Os registros vêm de uma firma de advocacia com sede no Panamá chamada Mossack Fonseca. A empresa é líder mundial na criação de empresas de fachada.

Entre os citados está o ator Jackie Chan, que tem pelo menos seis empresas de fachada executados pela firma, chefões do tráfico e a estrela do futebol Lionel Messi. Não há evidência, no entanto, que Chan utilizou suas empresas para fins ilícitos, pois ter uma empresa offshore não é crime, dependendo do seu uso.

O Panama Papers, sendo considerado por especialistas como “um dos maiores vazamentos pertinentes à Corrupção global de toda a história do jornalismo de dados”, contém atividades patrocinadas por líderes mundiais e suas famílias, incluindo o Presidente da Argentina, Mauricio Macri, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur Davíð Gunnlaugsson e do Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko.

Estes arquivos também expõem empresas offshore controladas pelos primeiros-ministros do Paquistão, do rei da Arábia Saudita e os filhos do presidente do Azerbaijão. O vazamento inclui pelo menos 33 pessoas e empresas na lista negra do governo dos EUA por evidências de que estes realizavam negócios com criminosos da máfia mexicana, organizações terroristas como Hezbollah e Estado Islâmico. Os arquivos abrangem quase 40 anos, a partir de 1977 até o final de 2015, sendo que agora conseguiram chamar a atenção da mídia global, em uma perspectiva nunca antes vista em casos de empresas offshore.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Corrupção

Os vazamentos de documentos foram feitos pela ICIJ (Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos) e seus parceiros de mídia, levantando pesquisas e investigações oficiais em torno de dezenas de países.

Abaixo, está um vídeo produzido pela ICIJ explicando sobre o #PanamaPapers:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo