OFBI divulgou uma investigação nesta segunda, 13, revelando que o terrorista que fez o ataque em Orlando, no último domingo, 12, Omar Mateen, tinha simpatia por vários grupos terroristas.

De acordo com o diretor do FBI, Jame Comey, apesar de Mateen ter se declarado como um membro do ISIS ele tinha simpatia pelo Hezbollah (do árabe “Partido de Deus”, da linha do Terrorismo xiita) e pelo grupo Al Qaeda (do árabe “A Base”, de corrente sunita), grupos que são inimigos entre si e têm ideologias radicais diferentes.

A investigação diz que Mateen prestou solidariedade ao homem que fez o ataque à bomba em Boston, em 2013. Além disso, ele também prestou solidariedade a um homem-bomba da Al Qaeda que fez um dos ataques na Síria.

Em 2013, ele teria dito, a pessoas próximas, que teve ligações com o grupo Al Qaeda, ao mesmo tempo em que dizia ser um membro do Hezbollah, grupo de origem libanesa.

No ano seguinte, o FBI investigou Mateen por suspeita de assistir vídeos de propagandas da Al Qaeda e por frequentar uma mesquita na Florida com um homem que viria a se tornar um homem-bomba do grupo terrorista sunita, Al Nusra, afiliada da Al Qaeda na Síria.

Enquanto a investigação acontecia, os dados dele foram mantidos em uma base de dados. Entretanto, a investigação foi encerrada e os seus dados retirados da base de dados. Os investigadores concluíram que ele não havia cometido crime e não entendia como a Al Qaeda operava, além disso, ele disse aos investigadores que havia mentido sobre os seus laços com terroristas.

O FBI disse ainda que o contato que ele teve com o homem-bomba (que atacou a Síria) foi mínimo e não representava ameaça.

Os agentes do FBI tentam recuperar dados do celular, computador entre outros eletrônicos para tentar entender o que motivou o ataque.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Curiosidades

VERSÃO DO PAI

Seddique negou que soubesse do comportamento terrorista do filho, se disse envergonhado, pediu desculpas e disse sentir muito pelas vítimas. Ele confirmou que o ato não teve nada ‘a ver com religião’.

Por outro lado, Seddique confirmou o comportamento homofóbico do nova-iorquino. Disse que o seu filho ficou ‘revoltado’ ao ver um casal de rapazes se beijando. Disse ainda que o ato do filho foi contra todo o ensinamento que lhe foi dado.

Los Angeles Times, tradução livre.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo