Alguns analistas, ainda estarrecidos com o que consideram uma grande perda para a Grã-Bretanha a sua saída daUnião Europeia, recomendam algumas medidas para salvar o que restou. Dentre eles, a jornalista Zoe Williams, do jornal britânico The Guardian, recomenda seis passos: primeiro, parar de pedir por um novo referendo, pois ele poderia ser uma repetição do primeiro; segundo: esquecer de compreender ou debater com o Partido Conservador, pois seria um contrassenso; terceiro: demonstrar solidariedade para com refugiados e imigrantes, inteirando-se do que seria o Project Human; quarto: insistir em uma rápida eleição geral, por uma questão de bom senso; quinto: pôr mãos à obra com todos os partidos (menos o Conservador, é claro) que são contra o Brexit e sexto: ir a todos os eventos e manifestações possíveis contra o Brexit.

A matéria inteira está no The Guardian de 29 de junho.

Outra visão desse grave acontecimento, que pode mudar a geopolítica do século 21, é a de países como a China e a Rússia. Segundo o jornal Diário Liberdade News de 25 último, esses dois países estão cada vez mais próximos após o Brexit. Seus dois presidentes se reuniram dia 25 em Pequim e se comprometeram a aprofundar a parceria entre eles em vários setores.

A iniciativa "Um Cinturão, Uma Rota" (One Belt, One Route, OBOR), que cria Novas Rotas da Seda, fortalece a economia entre os dois países, e a União Econômica da Eurásia (EEU, em inglês) estabelece vínculos sólidos entre a Rússia,a China e a Europa Ocidental. A parceria também envolve a Organização da Cooperação de Xangai e várias outras organizações, como o Novo Banco de Desenvolvimento, o Banco Asiático de Investimento e Infraestrutura e o Corredor Econômico China-Paquistão.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

A parceria entre Pequim e Moscou cria uma força estratégica que alavanca muitos negócios, além de garantir o suprimento de gás natural da Rússia para a China, através dos imensos oleodutos siberianos. A Rússia, por sua vez, dependerá cada vez menos de investimentos ocidentais, contando com o investimento da China para crescer e prosperar.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo