Uma adolescente israelense foi assassinada a facadas na manhã de quinta-feira (29), enquanto estava em sua cama.Um terrorista árabe, de uma aldeia próxima, invadiu a casa da adolescenteHallel Yaffa Ariel, de 13 anos de idade, esfaqueou-a em várias partes de seu corpo. Ela foi levada àemergência do Centro Médico Shaare Zedek, de Jerusalém, mas não resistiu aos ferimentos, vindo a falecer.

O terrorista, identificado como Mohammed Nasser Tarayrah, de 19 anos, também esfaqueou e feriu gravemente um guarda civil, que o viu através das câmeras do circuito fechado e foi atrás dele.

O guarda, mesmo ferido, conseguiu atirar e matar o invasor, que mora em Bani Naim, uma aldeia árabe perto de Kiryat Arba, localizada próximoda cidade de Hebrom, que é controlada pela Autoridade Nacional da Palestina.

A mãe do assassino disse àimprensa de Hebron que ela estava orgulhosa de seu filho, que o considera um “herói”, segundo informou a Palestina Média Watch.

Meu filho é um herói. Me sinto orgulhosa. Meu filho morreu como um mártir defendendo Jerusalém e a Mesquita al-Aqsa. Adorado seja Alá, senhor do universo”, disse ela orgulhosa.

A mulher acrescentou que seu filho “se uniu aos mártires, e ele não é melhor que eles. A vontade de Alá é que todos sigam este caminho, todos os jovens da Palestina. Alá seja adorado”.

O terrorista poderia ter se inspirado em uma entrevista do membro do Comitê Central de Fatah, Sultan Abu Al-Einein, publicada no início da semana pela Sônia Al-Watan, uma agência de notícias palestina independente e traduzida pela Palestinian Media Watch.

“Se me perguntar sobre a minha posição pessoal, te diria que ‘aonde você encontrar um israelense, que lhe corte a cabeça”, Einein, assessor do presidente Mahmoud Abbas, respondeu quando o entrevistador lhe perguntou sobre a normalização com Israel.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

“Da mesma forma, estou contra os debates, negociações, reuniões e normalização em todas suas formas com a ocupação israelense”, disse Einen.

O coordenador das atividades governamentais nos territórios emitiu um comunicado dizendo que este tipo de observação é uma reminiscência de lugares como Mosul e al-Raqqa, controlados pelo Estado Islâmico, informou a United with Israel.

“Ao mesmo tempo, este tipo de incitação é a razão dos ataques terroristas como em Tel Aviv, há duas semanas, em que quatro israelenses inocentes foram assassinados e muitos outros ficaram feridos.” O texto diz ainda que isto “impede o progresso” para o desenvolvimento da cooperação na região.O ataque referido aconteceu dia 8 de junho em um restaurante popular em Tel Aviv.

A mais recente onda de Terrorismo começou em setembro passado, deixando 37 mortos e centenas de feridos.

*Artigooriginal publicado no site MundoCristiano.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo