Com mais de três quilômetros de largura, o asteroide recém-descoberto, 2000 ET70, vem causando temor entre os astrônomos, que conjecturam a possibilidade dele colidir contra a Terra em futuro breve.

Nesse momento, o principal objetivo dos cientistas é detectar a menor distância que esse ‘monstro espacial’ chegará do nosso planeta.

De acordo com informações do periódico britânico Express, edição de quarta-feira (19), a inusitada descoberta da rocha espacial causou preocupação entre astrônomos de universidades dos Estados Unidos, que avaliaram o astro como “potencialmente perigoso”.

Apesar da Agência Espacial Americana (NASA) informar a necessidade de estudos mais aprofundados para avaliar as características do objeto, ainda pouco conhecido pela agência em decorrência da recente identificação, ele tem despertado temor entre os estudiosos.

Segundo o jornalista Patrick Christys (Express), pesquisadores de universidades norte-americanas argumentam que o asteroide 2000 ET70 - que tem formato de punho -, poderá causar o ‘apocalipse’ na Terra, desencadeando terremotos de alto potencial destrutivo, além de maremotos e outros desastres naturais, caso se aproxime demais do nosso planeta.

Embora o corpo celeste tenha sido oficialmente catalogado há pouco tempo, ele já teria passado próximo à Terra em 2012, conjecturam os pesquisadores.

Astrônomos acreditam que naquele ano, o asteroide teria percorrido o trajeto de 18 distâncias lunares de nós - considerado muito perto para astros daquele tamanho. Contudo, vale ressaltar que uma distância lunar varia entre 384 a 403 km.

No entanto, cientistas receiam que na próxima vez que o asteroide retornar à nossa vizinhança cósmica, dentro de poucas décadas, ele poderá passar muito mais próximo de nós, podendo, inclusive, impactar contra a Terra.

Os melhores vídeos do dia

Avaliação da NASA  

Conforme o comunicado de um porta-voz da Agência Espacial Americana, não existe evidência de impacto iminente contra o nosso mundo. "A NASA não conhece nenhum asteroide ou cometa atualmente em rota de colisão com a Terra, então, a probabilidade de uma grande colisão é muito pequena”, explica o funcionário.

Porém, a agência confessa que dentro dos próximos cem anos é possível que um corpo celeste de grandes proporções atinja o nosso mundo.

Todavia, a entidade diz estar preparada para descobrir corpos celestes que representem ameaças reais e imediatas à Terra.  "A NASA também faz a detecção de asteroides uma prioridade, e está desenvolvendo estratégias para identificar asteroides que possam representar um risco para o nosso planeta", finaliza o comunicado.

Mesmo que a NASA afirme estudar os astros ao redor da Terra, a descoberta desse intrigante e mortal asteroide foi realizada por cientistas de universidades. Na ocasião, a agência foi a última a saber.

Ao que tudo indica, podemos ser dizimados a qualquer momento, ou não. #Mídia #Curiosidades #EUA