Frankie Morrison surpreendeu os médicos do hospital de Hull, na Inglaterra, quando nasceu com umaquantidade sete vezes menor de sangue do que os outros bebês. A menina tinha somente 35 ml de sangue, o que significa que ela tinha bem mais água do que sangue. A criança teve que nascer de cesariana, uma vez que os médicos já estavam notando que alguma coisa não estava correndo bem. No entanto, apesar de um nascimento e um início de vida bem complicados, a menina está agora superando todas as expetativas e se desenvolvendo de forma incrível.

É um caso raro, esse de Frankie, o que faz com que lhe chamem de bebê-milagre.

Inacreditável a pequena quantidade de sangue com que essa menina nasceu, mas, igualmente surpreendente, está sendo a forma como ela está lutando e seagarrando à vida. A mãe, apesar de ter ficado desolada, quando percebeu o que estava se passando, diz que sentiu que tinha ali uma "guerreira", assim que olhou para ela pela primeira vez.

Maria Sandars,a mãe de Frankie, teve que fazer uma cesariana de emergência, assim que os médicos perceberam que não existia qualquer movimento dentro de sua barriga. Assim que a pequena Frankie nasceu, teve logo que ser reanimada, por sua baixa quantidade de sangue. Apesar de ter vencido logo essa primeira luta, no exterior da barriga da mãe, a batalha dessa menina estava longe de terminada.

Por essa razão, os médicos falaram para os pais "esperarem o pior", porque as chances de Frankie sobreviver ou de ter uma vida normal, como qualquer outra criança, não seriam muitas.

Mas, quase um ano depois, porque a bebê completa um ano de vida, já no próximo dia 20 de outubro, Frankie é o mais próximo de qualquer outro bebê.Continua surpreendendo os médicos, com seu desenvolvimento, e vai fazendo a felicidade desses pais.

"Somos as pessoas mais sortudas desse mundo", disse Maria Sandars, por ter sua filha nos braços, recuperando dessa forma extraordinária.

A mãe contou que assim que saiu da cirurgia e estavam todos chorando, pensou que o pior tinha acontecido. Depois, viu a menina, inconsciente e inchada, por causa de toda essa água em vez de sangue.

"Na primeira olhada, eu senti que ela era uma lutadora e que iria sobreviver", contou a mãe, para o jornal Mirror.

Se seguiriam diasde luta, por diferentes hospitais, mas com três semanas de vida, Frankie foi para junto dos pais e das irmãs, para casa. Quase um ano depois, a mãe não esquece o que foi feito por essa menina, no hospital de Hull, na Inglaterra,e, cada vez, que sai com a sua bebê, é"a melhor sensação do mundo".

Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!