Se é bravata ou não, os especialistas em política e diplomacia internacional aconselham que é melhor não arriscar, mas fato é, que a ACNC - Agência Central de Notícias da Coreia veiculou na data de 29 de outubro, uma notícia no mínimo preocupante, de que se a Coréia do Norte for alvo de algum tipo de provocação, ameaça ou agressão, as forças militares armadas do país estão automaticamente apostas para rechaçar o acontecimento, promovendo o que as autoridades norte-coreanas chamaram de “ataque preventivo contra seus adversários”.

Entenda-se por adversários principalmente os Estados Unidos e o seu principal aliado na Ásia, que é o Japão.

A Coreia do Norte reclama e se manifesta pelo interesse vital de defender a qualquer preço a soberania da nação localizada na instável península coreana e pelo direito de existir, como qualquer outro país do Ocidente.

No comunicado divulgado pala ACNC, há a advertência explícita para os líderes políticos japoneses, que se o estabelecimento das sanções nipônicas frente aos norte-coreanos prejudicá-los de algum modo, o Japão será o principal responsável por essa estratégia nociva e belicista na Ásia, mais especificamente voltada à Coréia do Norte.

Por sua vez, o governo norte-americano de Barack Obama, para não perder a sua influência no tabuleiro das relações diplomáticas no contexto internacional, sinalizou a Pyongyang, capital do poder da Coréia do Norte, que independente de qual seja a medida tomada pelos norte-coreanos contra os aliados dos EUA naquela parte do mundo, destacando-se o Ataque nuclear, a ação resultará em uma "resposta instantânea e eficaz" das forças militares dos Estados Unidos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Negócios

Paralelamente a esses acontecimentos, Shinzo Abe, que é o atual premiê do Japão, ordenou rapidamente que fosse feito um pacote de austeridades severas e sanções extras para confrontar a Coreia do Norte, na medida em que essa resolveu promover o lançamento na forma de testes, de armas nucleares no último dia 9 de setembro, sexta-feira, na região.

Os próximos dias são aguardados com ansiedades pelas populações dos países locais envolvidos diretamente na disputa e pelos governos das grandes superpotências, que querendo ou não, poderão participar de alguma forma em mais uma frente de guerra declarada no mundo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo