Nos dias atuais, vivemos em uma geração onde tudo gira em torno da tecnologia e a maior parte da população mundial gosta de exibir tudo o que faz nas redes sociais. Um brasileiro atrapalhado se tornou protagonista de uma cena, no mínimo constrangedora.

Na onda das selfies, onde a maioria das pessoas quer registrar tudo o que está fazendo e, claro, postar em suas redes sociais, um brasileiro trapalhão acabou virando manchete na mídia. O homem que fazia uma viagem a Portugal foi visitar um museu e acabou fazendo uma grande bobagem.

O turista brasileiro foi tirar uma selfie e esbarrou em uma obra de arte de valor inestimável, provocando sua queda.

O homem teria se distraído ao tentar fazer a foto, e esqueceu de olhar para onde estava andando, quando percebeu, já havia derrubado a escultura.

O infeliz acidente deixou o turista totalmente constrangido e ele chegou a chorar após o incidente. O museu precisou ser fechado após a ocorrência. O local onde o fato aconteceu foi no museu de Arte Antiga, localizado em Lisboa. O fato aconteceu neste último domingo (06), como era o primeiro domingo do mês, as visitas neste dia eram gratuitas para o público.

Segundo José Alberto Seabra, diretor adjunto do museu de Portugal, a estátua derrubada pelo turista brasileiro pertencia ao século XVIII e era uma escultura de São Miguel Arcanjo. A identidade do visitante trapalhão não foi divulgada.

Posicionamento do Museu

Ainda, conforme a direção responsável pelo patrimônio cultural, DGPC – Direção Geral do Patrimônio Cultural, nem tudo está perdido e tudo indica que é possível fazer a restauração da obra de arte.

Os melhores vídeos do dia

No entanto, vai ser necessário que seja constituída uma comissão com diversos profissionais. Os responsáveis pelo museu ainda não sabem como será tratada a questão jurídica, mas, provavelmente, não haverá nenhum processo, já que não se tratou de algo intencional.

Segurança reforçada

Com o intuito de evitar que acidentes semelhantes voltem a ocorrer, o Ministro da Cultura do país prometeu reforçar o número de vigilantes do local no próximo ano. No momento do acidente não havia nenhum vigia na sala onde estava a obra de arte.