Morreu, na noite deste sábado (26), Fidel Castro, ex-presidente de Cuba, aos 90 anos, na capital Havana. A informação veio a público através de seu irmão em pronunciamento à TV estatal cubana.

Por alguns, visto como um grande revolucionário, e por outros um grande ditador sanguinário, Fidel foi deixando o poder progressivamente ao longo da última década, morando em um local não revelado e aparecendo poucas vezes nos últimos anos.

A última vez que o ditador foi filmado foi dia (15), ao receber em sua casa o presidente do Vietnã, Tran Dai Quang. Anteriormente, ele foi avistado em um ato público, isso ocorreu no dia 13 de agosto, quando comemorava os seu 90º aniversário.

A festa contou com mais de 100 mil pessoas. Já na época, Fidel apresentava um semblante frágil, na companhia de seu irmão Raúl e o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. Despedida

Durante o XVll Congresso do Partido Comunista de Cuba, em abril, Fidel novamente veio a público e fez um discurso em tom de despedida, no qual reafirmou a força das ideias comunistas. No discurso, ele disse que a hora de todo Mundo irá chegar, porém as ideias comunistas cubanas ficariam, de modo a provar que neste planeta se trabalha com dignidade e fervor. Assim, é possível que sejam criados os bens culturais e materiais que os seres-humano necessitam, e que todos devem lutar incessantemente por isso.

Desde que adoeceu, em julho de 2006, e cedeu o poder ao seu irmão Raúl Castro, Fidel se dedicou a escrever artigos, ele também escreveu livros relatando sua luta em Sierra Maestra e a receber personalidades internacionais em sua casa, no oeste de Havana.

Os melhores vídeos do dia

Saída do poder após se adoentar

Em 31 de julho de 2006, Fidel Castro surpreendeu Cuba e o mundo ao anunciar que cederia o poder ao irmão Raúl, provisoriamente, após sofrer algumas hemorragias. Essa foi a primeira vez que ele deixou o poder.

Fidel afirmou que esteve à beira da morte, porém não revelou qual seria a doença que o afligia. Neste período ele perdeu quase 20 quilos, isso durante os 34 dias de crise, passou por diversas intervenções cirúrgicas e passou a depender de cateteres por meses.

Desde março de 2007, já não se encontrava mais no cenário público, apenas era visto por fotos e vídeos.