Em uma cirurgia que ocorria no Hospital Universitário de Tóquio, no Japão, a paciente soltou um flato e acabou provocando um incêndio, que se alastrou por toda a sala de cirurgia. De acordo com a imprensa local, a paciente era uma mulher de 30 anos que estava sendo submetida a um procedimento cirúrgico com o uso de laser, no colo do útero. O incêndio ocasionado pelo “pum” causou várias queimaduras de segundo grau por todo o corpo da paciente.

O caso não é recente, o fato aconteceu em abril deste ano, contudo, só veio a público nesta semana porque o ocorrido estava em processo de investigação pela polícia. De acordo com a conclusão das investigações, laudos apontaram que a responsabilidade pela causa do incêndio foi exclusiva dos "gases inflamáveis dispensados pela paciente”. Ainda segundo o relatório das investigações, não houve qualquer tipo de falha nos equipamentos cirúrgicos.

Todos eles estavam conforme o prescrito.

Os investigadores utilizaram um manequim para remontar a cena do acidente.

Com mais precisão, a investigação afirma que o acidente se deu porque o gás intestinal da paciente teria vazado para dentro da sala de operação. Desse modo, houve uma influência de contato com o laser que estava sendo utilizado na operação, ou seja, as faíscas de fogo acenderam por irradiação do laser, e surgiram chamas quando alcançaram as cortinas do ambiente cirúrgico. Esse foi o motivo do acidente apontado pelo inquérito policial.  

O que é o flato?

Flatulência ou flato, conhecido pelo simples nome de “pum”, em linguagem comum, pelos brasileiros, são gases acumulados durante o processo de digestão com origem nos alimentos. A expulsão desses gases pode ser feita com ruído, e normalmente os gases possuem mau cheiro. 

Pessoas com alta intensidade de liberação desses gases podem ser vítimas de ansiedades.

Os melhores vídeos do dia

Outras causas do problema são comer muito rápido ou a presença de parasitoides intestinais - os famosos “vermes”.

Em sua composição total, 99% são gases inodoros; o odor vem da presença de sulfeto de hidrogênio e enxofre. Um de seus componentes é o gás metano (ou Hidreto de metila), que é bem menos denso que o oxigênio, podendo se espalhar facilmente no ar, sendo também um gás altamente inflamável.