Ao escolher um meio de hospedagem com o mínimo de estrutura, o que um turista procura é segurança, além do conforto. E se, ao decidir tomar um banho nas piscina do hotel para se refrescar, um crocodilo aparecer na água do nada?

Foi esse o pesadelo vivido na vida real por um casal de hospedes em um hotel no Zimbábue. A dupla viveu momentos de adrenalina e pânico na última quinta-feira (27), depois que resolveu se refrescar em uma piscina do hotel. O imóvel, que fica na cidade de Kariba, nunca tinha registrado esse tipo de ocorrência.

As imagens do circuito de segurança do estabelecimento mostram o momento em que o animal selvagem se aproxima da piscina.

Os banhistas não percebem o perigo que os ronda e só se dão conta quando rapidamente o animal mergulha.

Surpreendidos com o fatom eles tentam se defender, mas acabam sendo atacados, embora sem gravidade.

No vídeo que circula na internet é possível ver que o homem consegue rapidamente sair da piscina, enquanto a mulher tenta se proteger do bicho. Ele vai para cima dela, da o bote e abocanha seu braço. Na sequência, sai de perto. Nesse mínimo intervalo de tempo a jovem consegue ter a agilidade necessária para sair da água e correr para dentro do estabelecimento.

Outro rapaz que estava próximo e percebeu o desespero vai até a beira da piscina para isolar o bicho, que tranquilamente nada para a outra extremidade. 

Pelas cenas impressionantes que traz, o vídeo já foi visualizado por mais de 90 mil pessoas em menos de 24 horas.

Os melhores vídeos do dia

Isso em apenas um dos canais do Youtube em que foi compartilhado.

O internauta que postou o vídeo explicou que nos últimos tempos os crocodilos do Zimbábue têm se aproximado das áreas mais urbanas, prejudicados pelos baixos níveis de água do lago Kariba, próximo à região.

Com os níveis de chuva menores que o normal em função das mudanças climáticas, os répteis acabam procurando alimento e água longe de seus habitats naturais.  A conclusão que fica é que, num contexto mais amplo, as maiores vítimas não são os humanos, mas, sim, os animais selvagens e a natureza como um todo, que sentem os efeitos da mão do homem.