Os “Anonymous” voltaram a atacar o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, ameaçando expor seus "laços financeiros e pessoais com mafiosos russos". O grupo publicou uma série de tweets na segunda-feira, 16, alegando ter informações privilegiadas sobre alguns dos assuntos mais insolúveis de Trump. "Você tem laços financeiros e pessoais com mafiosos russos, traficantes de crianças e lavadores de dinheiro", escreveu.

"Isso não é mais anos 80, a informação não desaparece, está tudo lá fora, você vai se arrepender nos próximos 4 anos. Você está envolvido em algo realmente pesado. Roy Cohn e seu pai não estão mais aqui para protegê-lo", continuou, em uma aparente referência à sua amizade com o advogado Roy Cohn, que representou Trump durante os anos 70, quando foi acusado de violar a Fair Housing Act. Os tweets dos Anonymous vieram em resposta a um tweet de Trump, no qual ele atacou o diretor da CIA, John Brennan, acusando-o de ser um "divulgador de notícias falsas".

Logo depois o grupo informou que não irá atacar Trump com as “próprias mãos”, eles apenas divulgaram informações para que seus “apoiadores” façam algo contra o presidente. "'Vá buscá-lo #Anonymous. Salve-nos, por favor!'. Năo, vão buscá-lo vocês. É o dever de vocês, como adultos. Demos-lhes os recursos, agora terão de usá-los", tweetou o grupo. Após essas mensagens a conta tuitou uma série de atualizações e postagens antigas sobre outras operações, incluindo mensagens sobre o Trump e outros políticos dos EUA.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Em março de 2016 informações privadas sobre Trump foram "divulgadas" por hackers que dizem ser parte dos Anonymous, incluindo telefone celular e número de segurança social. No entanto, foi provado que as informações não eram novas e já estavam na internet há algum tempo.

Os ativistas do Anonymous lançaram uma série de ataques em resposta a eventos atuais nos últimos meses. Entre eles o "Operação Isis", ou #OpIsis, que consistia principalmente em encontrar pessoas no Twitter que apoiavam o grupo terrorista e relatá-los ao Twitter para que pudessem ser desligados.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo