A marca alemã BMW não pretende se deixar intimidar por Donald Trump. A empresa segue com planos de abrir uma filial de suas fábricas no México em 2019, ignorando as ameaças do novo presidente dos Estados Unidos.

Donald Trump ameaçou impor um imposto de fronteira sobre os veículos da BMW fabricados no México e destinados aos Estados Unidos da América. Em uma entrevista publicada neste domingo em um jornal alemão, Trump disse que uma fábrica nos EUA seria uma opção melhor para a marca BMW.

No entanto, a BMW já declarou, através do executivo Peter Schwarzenbauer, que vai manter os planos de abrir a nova fábrica na cidade de San Luis Potosi em 2019.

A produção desta nova fábrica será focada no BMW Série 3, complementando as fábricas da Alemanha e da China, e será destinada ao mercado mundial.

Trump também já fez críticas às montadoras General Motors, Ford e Toyota. A Ford, porém, não foi tão firme quanto a BMW, e cancelou um investimento de 1,6 bilhões de dólares para uma nova fábrica na cidade de San Luís, no México, que ficaria pronta em 2020. No lugar disso, a empresa investiu parte deste dinheiro em uma nova produção para seus carros elétricos Flat Rock em Michigan, EUA. A fábrica mexicana da Ford geraria cerca de 2.800 empregos.

Uma porção bastante significativa da produção de automóveis norte-americanos é terceirizada no México, e cerca de um terço das importações de carros dos EUA é proveniente do México. Trump diz que, para ele, é vergonhoso que as companhias tradicionais americanas movam sua produção para o exterior.

Os melhores vídeos do dia

O recém-eleito presidente dos Estados Unidos, que assume o posto oficialmente neste dia 20, também é conhecido por sua promessa de erguer um muro na fronteira de Estados Unidos e México para conter a imigração ilegal, a qual acusa de trazer drogas, crimes e estupradores para os Estados Unidos. Além de ter criticado e sugerir sanções a China por ''roubar empregos dos americanos'' e por afirmar que a única forma de conter o terrorismo realizado pelo Estado Islâmico era retirando todo o petróleo deles e ''bombardeá-los até mandá-los ao inferno''.