Apesar dos objetos voadores não identificados (ovnis/UFOs) serem constantemente rechaçados pelas autoridades, um intrigante vídeo de ovni - talvez o mais nítido e credível da história moderna -, filmado por um helicóptero da Marinha do Chile, promete abalar o silêncio governamental em todo o mundo, acerca do assunto. O caso foi revelado ao público em 3 de janeiro.

De acordo com os periódicos The Huffington Post e Daily Mirror, demorou mais de dois anos para o UFO ser exposto pelos órgão oficiais.

Captado inicialmente em 11 de novembro de 2014, o ovni, estudado durante esse período pela agência do governo chileno que investiga UFOs - Comitê de Estudos Aéreos Anômalos (CEFAA) -, continua a ser considerado uma incógnita.

O emblemático objeto foi observado por dois militares: o piloto do helicóptero e um técnico da Marinha, que na ocasião testava o funcionamento da câmera de infravermelho, segundo informa o The Huffington Post.

Relatórios do avistamento ressaltaram que a aeronave voava próximo a 4.500 pés (pouco mais de 1,3 km), às 13h52 de um dia de boa visibilidade aérea, permitindo aos dois homens observarem a estrutura sem ajuda de equipamentos.

O FLAGRANTE

Após constatar a presença do objeto no céu, o piloto aproximou a imagem do UFO na câmera infravermelha, para em seguida comunicar o surgimento da nave aos controladores de tráfego aéreo.

Como resposta, os militares ouviram dos controladores que não havia autorização para outros aviões voarem no local.

Contudo, o ovni continuava visível à dupla, apesar de não ser detectado pelo radar de bordo da aeronave.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Política

Ao descrever as características da anomalia, o pilotou acentuou que a nave exibia “dois focos térmicos como descargas que não coincidiam com o eixo do movimento”.

Todavia, o técnico salientou a nave como tendo formato “semioval no eixo horizontal”, além de possuir uma cor branca.

CONFLITO DE OPINIÕES

Desde o início das investigações, há dois anos, o pessoal da CEFAA se debruçou sobre as imagens com objetivo de identificá-la.

Entretanto, eles não conseguiram avaliar a procedência da estrutura. “Nós não sabemos o que era, mas sabemos o que não era”, disse o General Ricardo Bermúdez, diretor do CEFAA durante a investigação.

Porém, a dificuldade em catalogar o objeto fez surgir a teoria de que ele era um "avião médio-haul", prestes a desembarcar no aeroporto de Santiago.

No entanto, autoridades chilenas desmentiram a hipótese, ao questionarem que se o ovni era uma simples aeronave, ela teria sido liberada para pousar no aeroporto, e também teria respondido a comunicação de rádio.

Além da ideia de avião, a suspeita do UFO ser algum objeto meteorológico também foi descartada, em decorrência do relatório meteorológico enfatizar não haver balões usados para avaliar o clima, no dia do avistamento.

O relatório ainda destacou que o formato do UFO captado pelos militares era incompatível com qualquer instrumento meteorológico.

Por último, um astrofísico propôs a origem do objeto como sendo simples detritos espaciais, apesar dos militares não constatarem registros de lixos espaciais reentrando na atmosfera da Terra, em 11 de novembro de 2014.

CONCLUSÃO: FENÔMENO AÉREO NÃO IDENTIFICADO

Considerado pelo diretor da CEFAA, General Ricardo Bermúdez, um dos casos mais importantes da carreira dele, a pesquisa sobre o UFO reuniu profissionais de diversas áreas.

“O CEFAA é bem visto em parte porque há uma participação plena dos cientistas do mundo acadêmico, das forças armadas através de seus representantes e do pessoal aeronáutico da DGAC”, explanou o General.

Conforme Bermúdez, o objeto estudado não é avião, tampouco detritos espaciais.

"A grande maioria dos membros da comissão concordou em chamar o assunto em questão de UAP (Fenômeno Aéreo Não Identificado) devido ao número de razões altamente pesquisadas que foi unanimemente acordado [que] não poderia explicá-lo", finaliza.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo