Sob a justificativa de elevar os níveis de segurança e proteger os cidadãos norte-americanos, o presidente Donald Trump emitiu um polêmico decreto migratório nesta sexta-feira, em que suspende parcialmente o programa de recebimento de refugiados e suspende a entrada de sete países considerados como fontes do terror: Síria, Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen.

A medida visa proteger os cidadãos norte-americanos de eventuais ataques terroristas isolados e também dar um recado claro ao Estado Islâmico sobre a intenção dos EUA em vencer a disputa na Síria junto com a coalizão internacional.

Publicidade
Publicidade

Ainda assim, o senador republicano John McCain vê efeito reverso na medida.

"Sinceramente, eu acredito que o efeito dessas medidas poderá dar ainda mais publicidade e espaço às ações do Estado Islâmico", resumiu McCain à rede CBS.

Senadores democratas e procuradores-gerais de diferentes Estados dos EUA, insatisfeitos com a ordem executiva de Trump, estudam maneiras legais de confrontá-la. No sábado, uma decisão judicial bloqueou parcialmente os efeitos do decreto do novo presidente.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Neste domingo, milhares de pessoas se aglomeraram em frente à Casa Branca para se manifestarem contra o decreto migratório de Trump. Cidades importantes como Nova York, Boston e Los Angeles também tiveram protestos no segundo dia de ações públicas contra a ordem executiva do sucessor de Barack Obama.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo