Uma simples análise da conjuntura atual nos mostra que muitos terrenos onde atua o jornalista são hostis. Vivemos em uma sociedade doente, essa é uma triste verdade. Como denunciou o Papa Francisco, na sua incansável luta pela paz e por acolher os desterrados, o Mundo está vivendo uma "terceira guerra mundial em pedaços".

Publicidade
Publicidade

O jornalista, portanto, é vítima do terrorismo, dos problemas sociais diversos, são agredidos por ambas as partes nos conflitos. E o Brasil é destaque, como noticiado sobre o relatório da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) acaba de lançar seu relatório "A Melhor Defesa: Ameaças à segurança dos jornalistas exigem uma nova abordagem" (ou "The Best Defense: Threats to journalists' safety demand fresh approach", versão em inglês, disponível no site cpj.org).

Os jornalistas devem estar equipados de acordo com de cada pauta. (Arte: Scout Tufankjian/CPJ)
Os jornalistas devem estar equipados de acordo com de cada pauta. (Arte: Scout Tufankjian/CPJ)

O documento mostra que os últimos seis anos foram terríveis para os jornalistas, muitas mortes e prisões no exercício da profissão.

Dá uma especial atenção aos jornalistas freelancers, em função dos desafios (favoráveis e vulneráveis) das novas tecnologias da informação, que tem alterado bastante a dinâmica do mercado de trabalho jornalístico. Ou seja, as agências de notícias têm confiado mais nesta categoria de jornalistas na cobertura de conflitos, mas muitas vezes elas [agências] deixam a desejar na proteção dos profissionais.

Publicidade

Em função desta realidade, o relatório apresenta uma série de recomendações, treinamentos e equipamentos para a segurança física e digital dos jornalistas.

O CPJ lança um desafio: "Neste contexto de brutalidade e intimidação, os métodos tradicionais de promoção não são suficientes. Os jornalistas devem se esforçar para educar-se sobre as ameaças e trabalhar em solidariedade para combater a Violência e a impunidade. Os grupos de liberdade de imprensa que têm contado com ajuda financeira direta para jornalistas em risco e defesa com os governos devem adotar uma abordagem mais holística incorporando ajuda física, digital e psicológica".

Essa questão do treinamento é seríssima e precisa ser vencida. O relatório enfatiza que os meios de comunicação devem promover treinamentos. Neste particular, os freelancers sofrem mais, em função do caráter temporário de contrato. Os cursos de treinamentos exigem altos investimentos, e as empresas não têm a plena consciência e não estão motivadas para tal.

O coordenador sênior do programa das Américas do CPJ, Carlos Lauría, destacou para o Centro Knight de Jornalismo que na América Latina "há muitos, muitos problemas para cobrir temas de violência.

Publicidade

Ainda há um conflito na Colômbia, embora haja um processo de paz acontecendo; no México, há muitas questões de conflito com o tráfico de drogas, ou há problemas para cobrir o crime em si, e esta prática não é estabelecida".

Sugestões para jornalistas

São várias sugestões da CPJ para governo, empresas de comunicação, jornalistas e para instrutores de segurança de jornalistas.

Para jornalista, entre outras medidas, sugere-se (a) a realização de pesquisa dos riscos em cada cobertura e sobre as “melhores práticas de organização internacionais de notícias no planejamento e na preparação de reportagens em ambiente hostil”, (b) estar atualizado em primeiros socorros, (c) ter equipamentos de segurança que respondam à realidade de cada pauta, equipamento de comunicação e seguro, (d) garantia a todos os jornalistas (locais e freelancers) de equipamento de segurança necessário e treinamento em segurança.

Publicidade

Carlos Lauría sublinhou a importância de que essas e outras recomendações constantes do relatório sejam conhecidas "para que os jornalistas, que estão cada vez mais empenhados em cobrir conflitos em ambientes hostis, tenham e possam tomar as medidas para trabalhar com mais segurança, proteger seus equipamentos, seus dados, suas fontes e evitar ataques que em muitos casos podem ser letais”.

Leia tudo