Em oito de março de 2017, dia internacional da mulher, a britânica Julia Derbyshire estaria completando 18 anos, mas sua vida teve um fim trágico dois anos atrás quando a adolescente tentou se enforcar por não suportar ser vítima de agressões online.

Adrian Derbyshire (42), pai de Julia, é um atleta paraolímpico que já ganhou duas medalhas de ouro. Ele acabou ficando confinado a uma cadeira de rodas no ano de 2008 após sofrer uma hemorragia cerebral que quase o matou, e em outubro de 2015, passou por uma das experiências mais devastadoras de sua vida ao encontrar sua filha enforcada e aparentemente já sem vida em sua casa localizada em Warrington, Inglaterra.

Derbyshire tentou realizar o procedimento de ressuscitação cardiopulmonar, e Julia foi levada a um hospital onde foi mantida viva por meio de aparelhos durante cinco dias. Infelizmente, os danos ao seu corpo foram muito grandes, e ela acabou falecendo aos 16 anos.

Quando os aparelhos de suporte à vida que mantinham o corpo da jovem funcionando foram desligados, Adrian decidiu registrar algumas fotos dos momentos finais da filha, e só agora ele reuniu forças suficientes para divulgar as imagens em uma tentativa de conscientizar o maior número possível de pessoas a respeito das terríveis consequências que podem advir do bullying virtual.

Conscientização dolorosa

De acordo com o site britânico Metro, Adrian Derbyshire declarou que o ato de tornar públicas as imagens de sua filha morrendo foi uma das coisas mais difíceis que ele já fez na vida. O atleta paraolímpico revelou que "enterrou" as fotos em seu telefone, pois não queria e ainda não quer olhar para elas.

Entretanto, ele acrescentou: "Mas eu sabia que iria precisar delas [das fotos], obviamente para ajudar a aumentar a conscientização [sobre o bullying], porque eu acho que a causa é muito vital para não usá-las".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Derbyshire criou um perfil no Twitter onde promove uma campanha online em homenagem à Julia, esperando que seu esforço possa ajudar famílias que passam pelo martírio de ter um de seus entes sofrendo com agressões virtuais. Segundo o site Metro, o atleta afirmou que tem recebido uma resposta "muito esmagadora" de pais que perderam seus filhos, e que o agradecem por ter tido a coragem de divulgar as fotos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo