De acordo com a rede BBC e o Mail Online, empresas do #Mundo todo estão informando que foram atingidas por um grande #Ataque cibernético envolvendo um ransomware – um tipo de malware, ou software malicioso que restringe o acesso a computadores e solicita pagamento através da moeda virtual conhecida como Bitcoin para reverter o bloqueio.

A Kaspersky Lab, companhia russa de segurança digital, informou que uma análise já detectou mais de dois mil ataques, sendo que a maioria ocorreu em países europeus, tais como Ucrânia, Rússia e Polônia.

Especialistas consultados pela BBC estão afirmando que este malware está aproveitando os mesmos pontos fracos presentes no Windows – o sistema operacional da Microsoft – que foram explorados pelo ransomware Wannacry no mês passado.

Em 2016, surgiu um malware que solicitava pagamentos chamado Petya, além de uma versão atualizada do mesmo, conhecida como Petrwrap. O novo ransomware possui semelhanças com o Petya, mas pelo fato de apresentar características inéditas, a Kaspersky apelidou a ameaça virtual de NotPetya. Outros especialistas em TI (Tecnologia da Informação) estão chamando o software malicioso de GoldenEye, e afirmam que ele é um tipo de "worm" que se espalha entre máquinas conectadas em rede automaticamente, ou seja, sem a necessidade de interação humana.

Ataques exploram falhas conhecidas e não corrigidas

Na Ucrânia, país que reportou os primeiros ataques, a central nuclear de Chernobyl teve que passar a monitorar os níveis de radiação manualmente depois que seus sensores baseados em Windows foram desligados.

Os melhores vídeos do dia

Além disso, foram alvos o banco central do país, dois serviços postais e a fabricante de aviões Antonov.

A petrolífera russa Rosneft, a empresa alimentícia espanhola Mondelez (detentora de marcas famosas no Brasil tais como Trakinas, Tang, Oreo, entre outras), a fabricante americana de produtos farmacêuticos Merck e a corporação francesa de materiais de construção St. Gobain também estão enfrentando dificuldades com o novo ransomware.

Chris Wysopal, especialista em segurança da Veracode, disse à BBC que o malware parece estar se espalhando porque muitas empresas não corrigiram as falhas exploradas anteriormente pelo Wannacry. Como a ameaça anterior foi suprimida rapidamente, as corporações possivelmente não deram a atenção devida às brechas de segurança existentes em seus computadores que rodam Windows.

No intuito de instruir usuários, a empresa Norton divulgou algumas dicas simples mas muito efetivas de como manter uma máquina segura, que incluem: uso de software antivírus e firewall de boa qualidade, realização periódica de backups dos dados do computador e uso de bloqueadores de pop-up. Além disso, deve-se evitar abrir links suspeitos ou desconhecidos presentes em e-mails e sites, os quais podem conter uma armadilha. #Europa